I have not lost my mind – it’s backed up on disk somewhere.” -Unkown
We’re not lost. We’re locationally challenged.” -John M. Ford

Atualização:

O Google alterou a plataforma de mapas criando o Google My Maps.

Veja o post atualizado sobre como planejar seu roteiro de viagem com ele aqui 🙂

Há algum tempo eu e a Natalie estamos preparando este post e finalmente conseguimos terminá-lo.

A idéia é mostrar como planejar uma viagem usando o Google Maps de forma a otimizar o tempo gasto e a movimentação de um ponto a outro da cidade.

Além disso você terá seu roteiro e pontos de interesses todos na Internet caso alguma coisa aconteça e você precise dele mais tarde. Sem contar que fazer o roteiro pelo Google Maps é viajar pelas cidades antes mesmo da viagem 🙂

Desde nossa primeira viagem para Londres e Paris nós utilizamos o Google Maps para fazer e organizar nossos roteiros, o que tem, sem dúvida nos ajudado a conhecer o máximo das cidades da forma mais otimizada possível.

O primeiro passo é decidir para onde vão e quantos dias ficarão em um determinado local.

Com isso em mente, decida os locais que querem visitar. Faça uma lista desses locais priorizando-os. Nós priorizamos os locais da seguinte forma:

Essenciais: São os que não abrimos mão de jeito nenhum.

Recomendados: São os que queremos ir, mas que em último caso podem ficar de fora.

Curiosidades: São os que nós só vamos se sobrar tempo.

Lembre-se que essa lista não é imutável pois durante a criação do roteiro sempre será preciso remanejar alguma prioridade, especialmente dependendo do tempo que tiverem disponível.

Agora é a hora de decidir quanto tempo gastar em cada ponto de interesse. Essa parte é muito importante para a fase final da montagem do roteiro. Lembre-se também de anotar os horários e dias em que os pontos de interesse estão abertos para que você não dê o azar, por exemplo, de ir a um museu no dia que ele está fechado.

Ok, hora de anotar onde fica cada local no Google Maps.

Vá em http://maps.google.com e clique no link “Sign In” na parte superior direita da página. Se você já não tiver uma conta Google, você poderá criar uma na página de login que abrirá.

Agora que você está logado, clique no link “My Maps” como mostrado na figura abaixo:

Ao clicar nesse botão o Google Maps te mostrará mapas públicos e outros mapas que você criou.

Clique em “Create New Map” para criar um mapa novo:

Na tela seguinte escolha um título, uma descrição e escolha entre mapa público ou não (Unlisted).

Nesse momento você tem à disposição os seguintes botões:

A mãozinha para mover o mapa, o botão do meio para colocar “alfinetes” e o botão mais à direita para colocar linhas.

O botão de alfinete é o que vamos usar para marcar os pontos de interesse. O botão de linhas é muito útil quando você quer desenhar uma rota de um ponto a outro.

Vamos marcar o Central Park como ponto de interesse. Para isso, clique no botão de “alfinete” e o mouse irá ficar como abaixo:

Agora, escolha o local que você quer marcar e clique. Uma janelinha como abaixo vai aparecer:

Coloque o nome e outras informações e clique OK.

Pronto, seu primeiro ponto de interesse está marcado e aparecerá na parte da esquerda do mapa:

Ao colocar os pontos de interesse, você pode querer marcar pontos diferentes com cores diferentes, como por exemplo os pontos de interesse de menor prioridade.

Vamos marcar o NYC Ballet com um ícone diferente. Para isso, basta colocar o ponto no mapa, clicar aqui:

e escolher o tipo de ícone que você quer usar:

Se por um acaso você errou o ícone ou quer trocar por algum motivo, basta clicar no ícone no mapa que a janelinha com os detalhes irá aparecer de novo.

Ok, hora de se divertir e colocar todos seus pontos de interesse no mapa. Após terminar seu mapa deve se paracer com a imagem abaixo:

Não se assustem com a quantidade de pontos. A maior parte deles é apenas um passeio pelas ruas e lojas 😉

Veja como os pontos de interesse se agrupam pela cidade. É nesse momento que você consegue perceber quais pontos devem ser visitados no mesmo dia que outros para evitar de cruzar a cidade e perder tempo para ir, por exemplo, da Times Square para a Wall Street, passar a mão nas bolas do Touro para ter sorte, e voltar para o Central Park.

Agora que você consegue visualizar o quão perto ou longe uma coisa está da outra, é hora de começar a montar o roteiro diário.

Lembra que eu disse que era importante saber os horários de funcionamento de cada ponto e quanto tempo gostaria de gastar neles? Então, agora é a hora em que você olha pro mapa, decide aproximadamente o que pode ser feito no mesmo dia e decide o caminho e horário em que cada um será feito.

Não sei se vocês repararam, mas aquelas linhas coloridas no mapa não são tráfego de NY (até porque se fosse seriam todas vermelhas :P). Elas são uma maneira de eu conseguir marcar o que fazer em cada dia e em que ruas passar.

Não é uma coisa fixa e obrigatória, mas é sempre bom ter algo em que se basear.

Abaixo tem uma parte do mapa mais detalhada:

As linhas de diferentes cores (Verde, Vermelho e Laranja) indicam os diferentes dias em que passaríamos pelos pontos. Às vezes as linhas aparecem numa parte da cidade e depois em outra como a Laranja. Isso acontece quando não dá para colocar tudo junto no mesmo dia.

Por exemplo, a linha vermelha começou o dia no NYC Ballet para comprarmos os ingressos. De lá fomos para o Museu de História Natural, atravessamos o Central Park e fomos parar no Metropolitan. De lá pegamos o metrô até a catedral de St. Patrick.

Mas por que já não aproveitamos e fomos no Guggenheim? Provavelmente por que o Guggenheim não abria naquele dia ou por que a prioridade do dia era outra.

No dia da linha Laranja fomos no Guggenheim e aproveitamos e passeamos um pouco mais pelo Upper East Side.

Notaram os pontos amarelos no mapa? Eram pontos que iríamos apenas por curiosidade.

Ufa! Terminamos o tutorial. Espero que tenhamos ajudado vocês a entenderem um pouco mais sobre como usar o Google Maps para otimizar seus roteiros 🙂

Qualquer dúvida ou sugestão, é só comentar 😀

Moral da história:

Planeje seu roteiro diário usando o Google Maps, mas permita-se perder de vez em quando 😉

Update 1:

Respondendo aos comentários eu lembrei de um detalhe que eu usei nas viagens pra calcular o tempo de um lugar a outro andando.

As linhas que você traça com o Google Maps te mostram qual a distância percorrida por aquela linha. Com essa ditância você tem idéia de quão longe estão as coisas, mas como saber quanto tempo levará andando até lá?

Faça uma continha simples:

distância / velocidade = tempo em horas

Lembrando que a distância tem de ser em metros. O meu Google Maps (em inglês) dá a distância em medida de loucos, digo, pés e jardas. É preciso converter se esse for o caso.

Para a velocidade eu uso 3,5 km/h que é uma caminhada de normal para rápida que é como normalmente eu e a Natalie andamos. Se você é mais slow traveller, pode colocar 2,5 ou até 2 km/h.

Eu sei, dá trabalho, mas depois das primeiras conversões, você já vai ter decorado o equivalente em pés para 500 m e o tempo para andar essa distância. Daí pra frente fica mais fácil 😀

Eu faço isso principalmente nos dias em que vamos andar bastante e os locais que vamos têm hora definida.

Em Londres, primeiro lugar que testamos isso, funcionou com pontualidade britânica! Até eu me surpreendi. Deu até para nos perdermos por uma feirinha e achar uma igrejinha linda e escondida que infelizmente estava fechada 🙁

Update 2:

O Fred fez um comentário interessante dizendo que não conseguiu traçar rotas dentro do Peru com o Google Maps.

Isso acontece com países em que os mapas ainda não estão tão completos. Em 2008 quando fomos pra Argentina nem Buenos Aires estava mapeada e em Santiago no Chile, apesar de a cidade estar mapeada, não era possível traçar rotas, no máximo saber o local de alguns pontos turísticos e ruas.

Não lembro quem me disse ou onde eu li, mas parece que os mapas do Google Maps dependem de autorização do país em questão para serem divulgados e mapeados pelo Google. Daí se o país não fornece os dados não há muito o que eles podem fazer.

Com o tempo os mapas do Google Maps vão sendo atualizados. Por exemplo, Buenos Aires hoje já está completamente mapeada e roteável 🙂

É isso ae!

Você também poderá gostar

Se gostou do que viu, assine o blog!


    97 Comentários
  1. Pessoal, encontrei muita dificuldade em fazer os mapas no novo Google Maps. Não existem os recursos que existiam no antigo. Depois de pensar que o problema estava comigo?????? Fiz uma busca pelo antigo Maps e vi muita gente com mesma reclamação \o/. A solução é bem simples, basta clicar no botão “?” na margem inferior na página inicial do Maps e selecionar “versão antiga”. Pronto, tudo voltou a ser como nos velhos tempos…

  2. Pessoal, encontrei muita dificuldade em fazer os mapas no novo Google Maps. Não existem os recursos que existiam no antigo. Depois de pensar que o problema estava comigo?????? Fiz uma busca pelo antigo Maps e vi muita gente com mesma reclamação \o/. A solução é bem simples, basta clicar no botão “?” na margem inferior na página inicial do Maps e selecionar “versão antiga”. Pronto, tudo voltou a ser como nos velhos tempos…

    • Obrigado pela dica Danielle 😀 Essa era uma maneira que eu não conhecia. No meu caso eu clico no link pequenino que aparece em baixo do “Criar Mapa” onde está escrito “Ou crie usando o recurso “Meus Mapas” clássico”. Eu até tentei criar um mapa no modelo novo, mas ele tem muitas limitações :/

  3. Eu descobri meio sem querer o Maps Engine, onde eu to fazendo exatamente isso pra “mapear” meu roteiro pela Europa! Mas não tinha pensado em usar pra calcular o tempo prair de um lugar a outro! Muito legal!

    • Qe bom que pudemos ajudar, Gabrielle 🙂

    • Ola Gabrielle,
      Você pagou para usar esse recurso do maps engine pro? Se sim, se importaria em nos informar uma ordem de grandeza? Ultima pergunta, vc ta conseguindo traçar rotas com esse recurso? Eu não estou conseguindo traçar rotas dentro do meu mapa no modo clássico.

  4. Estou tentando configurar o mapa, mas estou tendo muitas dificuldades para mudar as cores dos lugares, inserir as rotas com cores diferentes por dias, mudar os icones de acordo com cada atracao….
    Pergunto se eh assim complicado mesmo?

    ah, aproveitando, alguem tem alguma dica de hotel com cama e chuveiro bom, num preço acessivel e bem localizado?

    abracos…

    • Oi Beto.

      Se vc está na versão nova do Google Maps, ela é um pouco mais complicada mesmo. Pra saber se está na nova ou não, compare as imagens do post com o q vc está vendo. Eu não gosto da versão nova e sempre mudo para a versão antiga (tem um botão de “?” no parte de baixo à direita que permite q vc volte à versão antiga. Nessa, pra mudar cores e ícones, basta estar em modo de edição do mapa e clicar em cima do ponto ou linha.

  5. Você ainda tem seu mapa? Poderia compartilhar comigo? 😀

    • Oi Aline. Infelizmente acabei de olhar aqui e o mapa não existe mais 🙁 Eu senti falta de alguns outros mapas também, até mais recentes. Aparentemente o Google Maps não está guardando todos eles… Vou ficar te devendo essa, mas em todo caso, aqui no blog tem vários posts sobre NY e outras cidades que podem lhe ajudar a montar seu próprio roteiro 😉

      http://sundaycooks.com/category/destinos/estados-unidos/nova-york-estados-unidos/

    • Se você fez no MAPS CLÁSSICO, Vai te ruma opção específica pra eles (lado esquerdo) quando pede pra ABRIR MAPAS, no lado esquerdo.
      Eu já li seus roteiros, mas um mapa ajuda muito mais.
      Estou tentando fazer o meu, mas tá uma correria na minha vida.

    • Aline,

      Infelizmente não conseguimos encontrar nosso mapa de Nova York nos arquivos do próprio Google Maps. Essa eu fico te devendo 🙁

  6. Será que vocês poderiam compartilhar comigo o mapa de Munique?

  7. 1 4 5 6
Deixe seu Comentário

    Pingback e Trackback
  1. […] Como planejar seu roteiro de viagem usando o Google Maps […]

  2. […] olhar para o mapa no Google Maps para decidir nosso roteiro eu pensei: vou de Munique para Berlim, por que não desviar um pouquinho […]

  3. […] é segredo pra ninguém que eu adoro criar meus próprios roteiros super detalhados no Google Maps e que eu sou louco por apps de mapas offline  Ainda assim, de nada adiantaria ter um super […]

  4. 1 4 5 6