Não me surpreenderia se alguém respeitável me dissesse que a maioria das pessoas nem nota o Alasca no mapa dos Estados Unidos.

Apesar de ser o maior estado americano, o coitado fica lá longe, na curva do mapa-múndi, totalmente separado do país.

E se a maioria das pessoas realmente não nota o Alasca no mapa da Obamalândia, o que dizer das pobres Ilhas Aleutas, aquele rabicho ali embaixo, que sai do continente em direção ao nada?

Essa tripa de ilhotas foi descoberta por um dinamarquês e por um russo, em 1741. Em seguida, uma horda de caçadores de peles correu para desbravar a novidade e se estabeleceu na ilha mais próxima à península de Kamchatka, ainda na Rússia. Aos poucos, os caçadores foram seguindo adiante, pulando de ilha em ilha, até que chegaram ao continente, que já era dos russos desde bem antes.

anyaku2419 (CC-BY-NC-ND-2.0)

Em 1867, o Alasca foi comprado pelos americanos, incluindo a maior parte das Ilhas Aleutas (as mais distantes delas, chamadas de Ilhas Comandante, pertencem geologicamente ao conjunto das Aleutas, mas são da Rússia).

Essa proximidade das Aleutas com a Rússia (são mais ou menos 600 km entre a última ilha americana e o continente da Putinlândia) criou pelo menos duas curiosidades interessantes sobre elas.

A primeira vem lá do início dos tempos: muitos antropologistas dizem que foi por ali que o homem alcançou e povoou as Américas, vindo da Ásia.

A segunda é que as Aleutas podem ser consideradas o ponto mais ao leste e, ao mesmo tempo, o mais a oeste dos Estados Unidos. Como pode isso? Repare no mapa.

Wikimedia Foundation (CC BY-SA 3.0)

Percebe que elas cruzam o meridiano 180º? Pois é. Tecnicamente, as últimas ilhas estão no extremo leste do mundo, enquanto as vizinhas estão no extremo oeste.

A confusão chega até ao nome do último conjunto de ilhas: apesar de ser o mais distante dos EUA continental, foi batizado de Near Islands (Ilhas Próximas) pelos russos, porque era o mais próximo da Rússia.

Para os tarados por vulcões, terremotos e similares, as Aleutas são uma perdição.

Elas estão sentadas exatamente em cima do que o mundo chama de Anel de Fogo do Pacífico, aquela linha demoníaca onde um monte de placas tectônicas se encontram causando desgraceiras toda vez que se movem. Por causa disso, as Aleutas têm nada menos que 57 vulcões – uma quantidade considerável para um conjunto formado por 14 ilhas grandes e 55 pequenas.

Se as Aleutas têm vulcões, também têm montanhas e paisagens lindonas, inclusive muitas vistas do espaço (como você já deve ter percebido acima).

anyaku2419 (CC BY-NC-ND 2.0)

anyaku2419 (CC BY-NC-ND 2.0)

anyaku2419 (CC BY-NC-ND 2.0)

anyaku2419 (CC BY-NC-ND 2.0)

Buzz Hoffman (CC BY-NC-SA 2.0)

Buzz Hoffman (CC BY-NC-SA 2.0)

NOAA Photo Library (CC BY 2.0)

thewoodenshoes (CC BY-NC-SA 2.0)

J. Stephen Conn (CC BY-NC 2.0)

A parte chata é que é dificílimo alcançar as ilhas mais distantes. A Alaska Marine Highway, a linha de ferries que liga as Aleutas ao continente regularmente, só vai até as localidades realmente mais próximas. Veja o mapa.

As outras só podem ser alcançadas de barco, já que quase não são habitadas regularmente. Claro que isso deve custar uma baba em dólares, mas pelo menos dá para sentir uma emoção diferente: passar férias nos Estados Unidos estando tão perto da Rússia.

Veja onde se hospedar no Alasca

Você também poderá gostar

Se gostou do que viu, assine o blog!


    13 Comentários
  1. Com um veleiro bem construído e de posse de informações relevantes sobre o clima da região e os melhores lugares para fundear (cartas náuticas), o que se consegue com os locais, é possível acessar todas as ilhas!

    Grande abraço, seu Blog está cada vez melhor!

    • Caramba, ilhas Aleutas de barco seria bom demais da conta! =) Obrigado, Ricardo!

  2. 1 2
Deixe seu Comentário