Para quem não sabe, a série Por Que Pra Lá? foi inspirada naqueles amigos que fazem cara de “what the fuck?” quando você diz que vai passar férias em algum lugar fora do comum.

John Pavelka (CC BY 2.0)

É justamente essa cara que eu tenho mais visto desde que comecei a contar sobre meu próximo destino. Então resolvi começar os posts norte-coreanos mostrando por que alguém passa férias no país mais estranho do mundo.

Mas vou dizer: explicar os motivos para ir até lá não é uma tarefa fácil.

A Coreia do Norte é um patinho feio desde o seu nascimento, em 1948. Nesses 64 anos, a imagem dela sempre esteve ligada a histórias arrepiantes, com direito a Mr. George W. Bush dizendo que ela fazia parte do “Eixo do Mal”.

John Pavelka (CC BY 2.0)

Para piorar, o turismo no país é 300% controlado pelo governo, que só permite a visitação de locais determinados, com o viajante sempre acompanhado de dois guias. Sabe aquela liberdade de se perder por ruazinhas e descobrir coisas diferentes? No ecziste.

Mesmo assim eu quero ir para esse lugar. E aqui estão os meus por quês.

1 – Para viver um pouco da história, conhecendo o último país comunista que se mantém como era durante a Guerra Fria.

babeltravel (CC BY 2.0)

2 – Para conhecer o que for possível do país mais fechado no mundo.

3 – Para tentar ver como vivem alguns dos habitantes do país mais fechado do mundo.

Roamme (CC BY-SA 2.0)

4 – Para tentar sentir o que é o pais mais fechado do mundo.

5 – Para ver todas aquelas construções gigantescas típicas de regimes comunistas – mas em um país onde elas ainda cumprem sua função de mostrar o poder do estado.

David Stanley (CC BY 2.0)

John Pavelka (CC BY 2.0)

John Pavelka (CC BY 2.0)

John Pavelka (CC BY 2.0)

6 – Para ver cartazes legítimos de propaganda “anti-imperialista” (e talvez trazer alguns como lembrança).

John Pavelka (CC BY 2.0)

7 – Para ficar alguns dias realmente sem contato com o mundo, porque isso é impossível, proibido ou muito difícil.

8 – Para voar de Air Koryo.

yeowatzup (CC BY 2.0)

9 – Para ver que o país mais mal falado do planeta também tem paisagens bonitas.

Mark Scott Johnson (CC BY 2.0)

Mark Scott Johnson (CC BY 2.0) 2

David Stanley (CC BY 2.0)

Mark Scott Johnson (CC BY 2.0) 3

yeowatzup (CC BY 2.0)

David Stanley (CC BY 2.0)

10 – Para ver o Arirang, “o maior espetáculo coreografado do mundo”.

giladr (CC BY 2.0)

yeowatzup (CC BY 2.0)

11 – Para verificar uma impressão que tenho (e que vem se confirmando até o momento): que a Coreia do Norte não é um lugar assim tão difícil para ser visitado, como se imagina e se pinta por aí.

12 – Para confirmar o óbvio: que as pessoas que vivem lá são normais, como eu e você, ao contrário do que o noticiário nos leva a acreditar. E que a única diferença entre nós é que não tivemos acesso às mesmas informações nos últimos 64 anos.

John Pavelka (CC BY 2.0)

Achou pouco? Pois é. Ir para a Coreia do Norte é um desejo movido muito mais pela intensidade do que pela quantidade de atrações.

Eu falei que era difícil de explicar.

*****

Gabriel Quer Viajar foi para a Coreia do Norte com o apoio exclusivo da Koryo Tours.

*****

Gostou? Leia também os outros posts sobre a viagem à Coreia do Norte

ANTES DA VIAGEM (estudos e preparativos):

– Visto norte-coreano: uma experiência surreal

– O que se faz na Coreia do Norte

– O que se faz na Coreia do Norte (segunda parte)

– Curiosidades norte-coreanas

DEPOIS DA VIAGEM:

– Coreia do Norte: o país mais estranho do mundo é um país deste mundo

– As (minhas) melhores imagens da Coreia do Norte (como fotografar no país)

– Arirang. A Coreia do Norte a cores

– Air Koryo, a Coreia do Norte que voa

– Dançando com norte-coreanos

– O que fiz na Coreia do Norte – 1º e 2º dias

– O que fiz na Coreia do Norte – 3º e 4º dias

– O que fiz na Coreia do Norte – 5º dia

– O que fiz na Coreia do Norte – último dia

– Tony Wheeler na Coreia do Norte

– Gabriel Quer Viajar na CBN

– A Coreia do Norte na prática

– É ético ir para a Coreia do Norte?

– Mulheres de Conforto

– Meu longa-metragem na Coreia do Norte

 

Você também poderá gostar

Se gostou do que viu, assine o blog!


    20 Comentários
  1. Já me convenceu, via com Deus.

  2. Oie Gabriel,

    Eu que ainda não tinha curiosidade alguma sobre a Córeia do Norte, fiquei super empolgada!! Os seus motivos me convenceram, e como há belas paisagens por lá não? Esta viagem será um poço de cultura, história e aprendizado! Nós, leitores, que iremos ganhar e muiiiiiito!!! Que venha mais posts!!

    Abraços,

    Érika

  3. Oh god, preciso ir para a Coreia do Norte ! Já é mais um lugar que entra na minha lista de lugares que pretendo conhecer no futuro .
    Conheci o seu blog hoje, e estou amando . Ja fazia tempo que procurava um site desse estilo, e achei ! Parabéns pelo ótimo trabalho .
    Ganhou mais uma leitora do seu site , beijos e boa sorte !

  4. O chato é que fica um guia o tempo todo com você, né? Vi uma vez isso no “Não conta lá em casa”, e isso é a única coisa que me desanima de ir pra NK…. =/

    • Rafael, a companhia do guia é muito, muito, muito menos sufocante do que a gente imagina. Se você não agir com desrespeito, você vai ficar com saudades deles. Os meus eram queridíssimos, até ensinei uns palavrões em português. =) Não deixe de ir para lá por causa disso. Sério. Abraço!

  5. A pergunta que não quer calar é: quanto que custa ir pra lá?

  6. To com dificuldade para continuar depois disso:

    “Para confirmar o óbvio: que as pessoas que vivem lá são normais, como eu e você, ao contrário do que o noticiário nos leva a acreditar. E que a única diferença entre nós é que não tivemos acesso às mesmas informações nos últimos 64 anos.”

    Normais só se forem no sentido de sermos todos seres humanos. Não consigo imaginar alguém que viva num regime que impeça qualquer tipo de prazer na vida, sem comunicação com o mundo, restrições alimentares e vigilância total do governo possa ser considerada “normal como eu e vc” . Alguém que nem possa dar uma opinião, sobre o lugar lixo que mora com o pior governo possível.

    Enfim, vamos continuar a leitura.

  7. 1 2
Deixe seu Comentário