Sabe Petra, na Jordânia?

É claro que você sabe. Petra é um dos lugares mais incríveis do mundo, uma linda cidade escavada nas montanhas de um deserto há mais de 2000 anos. Merece toda a fama que tem e muito mais.

SammySix (CC BY 2.0)

O que você talvez não saiba é que Petra tem uma irmã “proibida”, construída pelo mesmo povo, mais ou menos 450 km ao sul.

Seu nome é Madain Saleh e é ela que aparece na foto acima.

Escrevi “proibida” entre aspas porque Madain Saleh não é totalmente inacessível, mas é bastante complicado chegar até ela. Bastante mesmo.

O motivo é o país onde ela está. Os tais 450 km que separam a cidade e Petra atravessam a fronteira da pacífica Jordânia e entram na Arábia Saudita, uma das nações mais fechadas do mundo no quesito turismo.

SammySix (CC BY 2.0)

Para você ter uma ideia, o país só começou a emitir vistos para visitantes não-muçulmanos há poucos anos, apenas para grupos com no mínimo 4 pessoas e com muitas restrições para mulheres, e encerrou totalmente essas emissões em 2010, sem dar muitas explicações.

Hoje, a única forma de entrar lá é com visto de negócios ou de trabalho. E para os sortudos que conseguem passar pela imigração saudita nessas condições, os guias de viagem que pesquisei são unânimes: Madain Saleh é o lugar a ser visitado.

Orly Arcelao (CC BY-NC-ND 2.0)

Orly Arcelao (CC BY-NC-ND 2.0)

Os culpados de tanta ênfase turística são os criadores dessa relíquia maravilhosa, os nabateus.

Esse povo, que existiu entre os anos 700 antes de Cristo até o primeiro século depois, dominou a região por um longo tempo e ficou bem famoso pelos conhecimentos arquitetônicos, entre outras coisas.

Madain Saleh, cujo nome significa “Cidades de Saleh”, foi construída ao redor de 200 a.C e chegou a ser a segunda maior cidade do império deles, atrás apenas da capital Petra.

SammySix (CC BY 2.0)

SammySix (CC BY 2.0)

Hoje suas ruínas ocupam uma área de 15 km2 e são consideradas o maior e mais bem preservado sítio arqueológico nabateu ao sul da sua irmã mais famosa, o que garantiu a ela o título de Patrimônio da Humanidade, da Unesco.

SammySix (CC BY 2.0)

Orly Arcelao (CC BY-NC-ND 2.0)

SammySix (CC BY 2.0)

Dizem que os detalhes arquitetônicos não são tão ricos quanto os de Petra, mas a vantagem de Madain Saleh, que é chamada em árabe de Al-Hijr, “Lugar Rochoso”, é a quantidade de turistas que vai estar lá com você: enquanto Petra recebeu 630 mil visitantes em 2011, Madain Saleh recebeu apenas 40 mil no mesmo ano, a maioria formada por sauditas.

Orly Arcelao (CC BY-NC-ND 2.0)

SammySix (CC BY 2.0)

O motivo de ter tão poucos visitantes na maior relíquia histórica de um país com 26 milhões de habitantes também é a rigidez religiosa do governo local. Não faz muito tempo que os governantes se renderam à curiosidade da população e liberaram as visitas a locais históricos pré-islâmicos.

A maior prova dessa vontade de esconder o passado é o próprio título de Patrimônio da Humanidade de Madain Saleh: ele foi o primeiro do país e só foi conquistado há míseros 5 anos, em 2008.

 

Orly Arcelao (CC BY-NC-ND 2.0)

Aparentemente, o governo saudita está correndo atrás do prejuízo, ainda que aos poucos.

Apesar de ainda ser necessário pedir autorização para visitar, Madain Saleh é o grande destaque dos sites oficiais de turismo do país. Tem até um ótimo tour virtual pela cidade, que serve de estímulo os visitantes sauditas e de consolo para nós que ainda não podemos ver tudo isso ao vivo.

Veja onde se hospedar na Arábia Saudita, se você for ver Madain Saleh

Se gostou do que viu, assine o blog!


    11 Comentários
  1. Sou a mãe da Debora Garcia rsrs e estou indo para Arábia, para visitá-la. Ficarei 12 dias lá, e junto com Débora planejamos visitar esse lugar incrível. Com certeza, Débora publicará no blog revistadeviagem.net a nossa aventura.

  2. 1 2
Deixe seu Comentário