Hoje esta coluna dá início a mais uma daquelas infindáveis séries de posts sobre um determinado assunto que agrada a este blogueiro.

Desta vez o tema é dinheiro. Ou melhor: as histórias e curiosidades por trás das moedas ao redor do mundo, sejam elas atuais ou do passado.

O nome da série? Mânei. Assim bem simplinho e metido a engraçadinho mesmo.

Rial iraniano

Gabriel Prehn Britto (CC BY-NC-SA 4.0)

Para o pontapé inicial, escolhi a moeda que mais ocupa espaço na minha cabeça neste momento – depois do maldito dólar valorizadão: o rial iraniano.

O pobre dinheiro que movimenta a economia do Irã de hoje começou a circular pelo país em 1932, substituindo uma moeda chamada toman.

Curiosamente, mesmo convivendo com o rial há mais de 80 anos, os iranianos até hoje usam o nome do toman nas suas transações. Isso seria uma característica simples se significasse apenas uma troca de nomes. Mas não é tão fácil assim.

Aliás, não é nada fácil.

O nome toman pode ser usado para definir 10 ou até mesmo 10.000 rials, de acordo com a vontade de quem estiver falando o valor. Para os iranianos é fácil entender, já que ele estão acostumados. Mas para o turista é uma confusão dos diabos.

Exemplo rápido: um preço de 10.000 rials (0,30 USD em valores de abril/2015) pode ser dito para você como 10 tomans ou até mesmo 1 toman, com a maior naturalidade do mundo. Você nunca sabe quanto precisa pagar logo de cara. É preciso parar, raciocinar e, então, certamente errar e pedir ajuda para o vendedor.

É uma enrolação que nem vou tentar explicar aqui. Só vivendo para entender.

A nota de 10.000 - Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

10.000 – Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Quase todas as notas atuais de rial iraniano que ainda valem alguma coisa (as de 10.000, 20.000, 50.000. 100.000 rials, porque as menores valem microcentavos) têm a frente estampada com a imagem do líder da Revolução Islâmica, o ex-aiatolá e hoje imã Ruhollah Khomeini.

20.000 - Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

20.000 – Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

50.000 - Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

50.000 – Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

100.000 - Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

100.000 – Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

As exceções são as notas mais altas em circulação, de 500.000 rials (15 USD) e de 1.000.000 de rials (30 USD), que mostram o santuário/mesquita de Mashad e as ruínas de um dos palácios de Persépolis, respectivamente. Curiosamente (de novo) essas notas já vêm abreviadas como 50 e 100 numa das suas faces, cortando quatro zeros e se transformando em uma das versões do toman. E ainda mais curiosamente, elas não são consideradas oficialmente como notas, mas como cheques, tanto que são chamada de Iran Cheque, ainda que sejam usada no dia a dia de todos.

500.000 de frente - Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

500.000 de frente – Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

500.000 de costas - Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

500.000 de costas – Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Nos versos das outras notas – quase sempre velhas e em estado de miséria – estão imagens:

– do Monte Damavand, o mais alto do país e do Oriente Médio;

– da praça Praça Naqsh-e Jahan, em Esfahan;

– da mansão Aghazadeh, em Abarkooh (numa nova versão da nota de 20.000);

– de um símbolo atômico com palavras de Maomé;

– e do mausoléu do poeta Sa’di, em Shiraz.

10.000 - Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Sim, você leu direito: a nota de 50.000 rials tem um símbolo atômico com palavras de Maomé. Segundo o que encontrei, as palavras são “Se a ciência existe nesta constelação, os homens da Pérsia vão alcançá-la”.

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Foto: shiva1o8 (CC BY-NC-ND 2.0)

Eu ia fechar este post com a origem do nome do rial, mas como que ele também é chamado de toman, vamos com a origem deste nome primeiro.

Toman vem da palavra mongol tumen, que significa “dez mil”. Segundo minhas pesquisas, tumen era a definição de um grupo de 10 mil soldados mongóis e acabou se transformando em uma unidade de medida.

rial tem origem bem mais próxima de nós, brasileiros. Vem de real mesmo, igualzinho ao nosso, mas não consegui ter certeza se foi inspirado na moeda portuguesa, que existiu entre 1430 e 1911, ou na espanhola, viva entre os séculos 14 e 19. É certo que vem de uma delas.

Outra coisa que é certa é que rial também é o nome das moedas de Omã e do Iêmen, além da Arábia Saudita e do Catar – só que nestes dois últimos escrito com ípsilon: ryal.

Mas estes são assuntos para outros Mânei.

*****

Fontes: Banknote NewsThe Central Bank of Iran, Oanda, Wikipedia, Encyclopedia BritannicaBanknotes.com

Você também poderá gostar

Se gostou do que viu, assine o blog!


    9 Comentários
  1. excelente artigo, bem interessante. Dinheiro sempre desperta atenção. Sou colecionadora de moedas antigas. Parabéns pelo blog.

  2. Como sempre, rico em informação. Essa moeda particularmente transforma o post em uma obra de arte com todos estes arabescos hehehe. Aqui na minha viagem, como não posso levar peso, estou levando de cada país que visito apenas uma moeda a qual acho a mais bonita das que encontro naquele país.

  3. Que belo trabalho, Gabriel! Pessoalmente vou mostrar como fazemos pagamentos e calculamos o valor em dólares. Um bom abraço meu e do Claudio para você.

  4. Muito bom artigo, parabéns!

  5. Muito boa a postagem, parafraseando o que Karla disse ‘Dinheiro sempre desperta atenção’!

  6. Parabéns pelo post, muito bom!

  7. Interessante.

  8. Ótimo post, meus parabéns.

  9. Gostei do post, bem criativo…..

Deixe seu Comentário