Primeiro veio o anúncio de que a Copa do Mundo enfim seria sediada no Brasil. Logo em seguida, foi a vez da Olimpíadas. Aposto que cada profissional que trabalha com turismo no país sentiu uma pontinha de esperança: agora vai!

Será que foi mesmo?

SundatyTalk: Repensando o Turismo

Os números (e as pegadinhas das metodologias) podem variar, mas vamos adotar os dados divulgados pelo Ministério do Turismo. Em 2014, o ano da Copa do Mundo, o Brasil recebeu 6,4 milhões de turistas estrangeiros, um aumento significativo de 10,3% se comparado ao ano anterior. Fato este que foi comemorado com muito entusiasmo pelo governo.

Mais de 6,4 milhões de turistas estrangeiros visitaram o Brasil em 2014

Colocando esses dados em perspectiva, quanto recebe por ano um destino parecido com o Brasil?

Vejamos o caso da Tailândia. A página oficial do turismo do país dedicada à imprensa divulgou, no final de 2015, um estudo que apontava que eles tinham acabado de bater a marca de 28 milhões de chegadas de turistas naquele mesmo ano.

É um patamar muito simbólico para qualquer destino, ainda mais para uma região que se reconstruiu depois da tragédia do tsunami de 2004.

Thailand tourism hitting record highs with the arrival of the 28 millionth tourist for 2015

ABC do Pantanal - rio Paraguai 7

Ainda acompanhando os números, o WTTC (World Travel and Tourism Council) afirma que o mercado de turismo movimenta globalmente mais de 7,6 trilhões de dólares por ano. Então eu pergunto: quando o Brasil vai valorizar e dar, de fato, a devida importância a esse mercado para que ele possa se desenvolver de maneira sustentável sem depender de eventos sazonais?

Relatório do WTTC: Travel & Tourism – world economic impact 2016

Os debates no país nunca terminam e a lição de casa talvez a gente já saiba de cor e salteado: os eventos esportivos dos últimos anos foram importantes (mais aí veio a zika, a zica da crise, a zica da reputação, a troca de ministros…), crescemos e melhoramos em alguns aspectos, enquanto vimos outros decaírem. Talvez um dos grandes símbolos seja a própria crise enfrentada pelo parque da Serra da Capivara.

Modelo de gestão implantado na Serra da Capivara esgota recursos e ICMBio pode assumir parque nacional

‘Estamos quase no fim’, diz Niéde ao ameaçar venda de carros do Parque

Fim de semana em Salvador - Elevador Lacerda

Quando será a vez do Brasil no turismo global?

Para fechar a segunda temporada do SundayTalk com chave de ouro, não poderíamos deixar de conversar com um dos caras que mais defende e acredita no nosso potencial turístico, o Ricardo Freire, do Viaje na Viagem.

“O problema institucional do Brasil é a falta de marketing e de divulgação,
a gente é péssimo nisso.”

Belezas naturais: check. Povo acolhedor: check. Sol o ano todo tem também. E aí? O que falta para o país se tornar a bola da vez do turismo global? Comunicação trilíngue? O fim da exigência dos vistos para turistas vindos de mercados importantes?

Dá o play aí no vídeo e aposto que você vai participar desse bate-papo muito enriquecedor!

Se quiser se aprofundar no assunto, veja os outros artigos que o Ricardo já escreveu sobre o tema:

A dispensa (temporária) do visto para gringos — e o (pouco) que se pode esperar disso

Pitacos: como fazer de 2014 a Copa do turismo

Quando o Brasil vai ser um Bric do turismo?

5 ideias para receber melhor os estrangeiros no Brasil

8 coisas que ninguém ainda falou sobre a Copa

O legado da Copa para o turismo (parte I)

O legado da Copa para o turismo (parte II)

A gente se vê na próxima temporada do SundayTalk!

Você também poderá gostar

Se gostou do que viu, assine o blog!


Deixe seu Comentário