atualizado em:

A Ilha de Ontem e a Ilha de Amanhã

Não faz muito tempo, apresentei aqui as Ilhas Aleutas, uma região que esse blogueiro, na sua bendita ignorância, julgava ser […]

por Gabe Britto outros artigos do autor
atualizado em:

Não faz muito tempo, apresentei aqui as Ilhas Aleutas, uma região que esse blogueiro, na sua bendita ignorância, julgava ser o ponto mais interessante entre EUA e Rússia.

All rights reserved by slobirdr

Mas daí apareceu um lugar muito, muito, muito melhor: as Ilhas Diomedes.

Veja essa foto:

Imagem: NASA

Do lado esquerdo, a Rússia.

Do lado direito, os EUA.

No meio, as Diomedes, cada uma pertencendo a um dos países.

Dave Cohoe (CC BY 3.0)

Ridículos 4 quilômetros de mar do Estreito de Bering separam a Diomedes Maior (russa) da Diomedes Menor (Estados Unidos), uma distância que era conhecida como A Cortina de Gelo, durante a Guerra Fria.

Entre elas ainda passa a Linha Internacional da Data, o que significa que a ilha russa está sempre um dia adiante da ilha norte-americana e gerou um apelido bem espirituoso para ambas: Ilha do Amanhã e Ilha de Ontem.

All rights reserved by amproehl

Atualmente, apenas a ilha americana é habitada. A população da irmã russa se dividiu entre os que foram para o continente e os que foram para o lado ianque, já que muitos dos habitantes antigos eram parentes e se visitavam com frequëncia, antes da divisão política.

Os habitantes da Diomedes Menor são esquimós e vivem na única parte da ilha que não é um penhasco caindo direto no mar.

Ali fica a vila de Diomede, que na língua original é chamada de Inalik, uma palavra cujo significado parece ser uma chacota: “a outra” (“the other one”) ou “a outra lá” (“the one over there”).

Foto: National Science Foundation

“A outra lá” tem apenas 115 viventes. Segundo os entendidos no assunto, ela existe há 3000 anos e servia como base para caçadores esquimós desde beeem antes de todos nós.

A vida nela não é fácil, mas o pessoal tem o básico: uma escola, um posto de saúde, geradores de energia, tanques que armazenam a água de uma fonte, internet, TV por satélite, telefone e uma lojinha que vende roupas, comida, armas, munição e combustível. O que não tiver lá, é encomendado no Walmart de Anchorage, no continente (o que soa totalmente bizarro).

Gostou? Mas você não viu nada. As Ilhas Diomedes tem algo que você nunca imaginou: no inverno, o mar que separa as duas congela e… dá para ir de uma a outra a pé.

Vou até repetir em caixa-alta:

NO INVERNO, DÁ PARA IR DA RÚSSIA PARA OS ESTADOS UNIDOS A PÉ.

E VICE-VERSA.

Não é um dos lugares mais incríveis do mundo?

Assine nossa newsletter!

Comentários