atualizado em:

Por Que Pra Lá? Papua-Nova Guiné

Existem muitos lugares que podem ser chamados de “paraíso” no nosso mundo. Claro que as definições de “paraíso” são subjetivas, […]

por Gabe Britto outros artigos do autor
atualizado em:

Existem muitos lugares que podem ser chamados de “paraíso” no nosso mundo. Claro que as definições de “paraíso” são subjetivas, mas se o seu conceito é assim tipo o meu (e inclui praias, natureza, distância do mundo e pessoas diferentes e pacíficas), então você também deve achar que um desses lugares é Papua-Nova Guiné.

tarotastic (CC BY 2.0)

Esse país é um antro de maravilhas. E também um antro de mistério e desconhecimento por boa parte do mundo.

Onde fica isso?

Que nome estranho é esse?

É Papua ou é Nova Guiné?

Tem hífen?

O negócio é complicado mesmo, mas vou tentar colocar alguma ordem para que nós dois possamos entender um pouco juntos.

Papua-Nova Guiné fica em uma ilha chamada Nova Guiné, que é dividida com a Indonésia.

Essa ilha é a 3ª maior do mundo (se você considerar que a Austrália é uma ilha) e foi descoberta lá pelos anos 1540, mas não se sabe se por portugueses ou espanhóis. O certo é que o nome que pegou foi dado pelos lusitanos, que acharam que os nativos eram parecidos com os da Guiné, na África, e tascaram o originalíssimo “Nova Guiné”.

tarotastic (CC BY 2.0)

Logo apareceram também os holandeses, os ingleses e os alemães, que dividiram a ilha entre eles e começaram a confusão.

Os alemães ficaram com nordeste do território (o popular “canto superior direito”) e passaram a chamar aquele espaço de “Papua”, inspirados numa palavra que os nativos daquela região repetiam o tempo todo e que pode significar tanto “negro” quanto “cabelo encaracolado”.

A bandeira alemã nessa imagem é a do Império Alemão.

Então vieram as grandes guerras e toda aquela dança de soberanias que acompanham os conflitos. No fim, os holandeses ficaram com todo o lado esquerdo da ilha, enquanto os ingleses ficaram com o lado direito e criaram um estado dependente, ligado à Austrália, chamado Papua-Nova Guiné.

Anos mais tarde, os holandeses entregaram a sua parte aos indonésios. E, em 1975, os ingleses deram independência aos papuásios – mas apenas em relação à Austrália, já que eles seguem sob a coroa da dona Elizabeth II.

A atual bandeira papuásia nasceu pouco antes disso e dá destaque a uma das grandes atrações turísticas do país: a natureza.

Ela foi desenhada por uma menina de 15 anos e mostra o cruzeiro do sul e um pássaro local, sobre um fundo vermelho e preto – as cores de muitas tribos papuásias.

(Apenas por curiosidade, veja como era a bandeira papuásia antes da atual. Lembra alguma coisa?)

Desde então, Papua-Nova Guiné segue a sua vida de mistérios e beleza. E boa parte do mundo segue se perguntando: por que ir para Papua-Nova Guiné?

É o que vou tentar responder aqui.

1 – Porque o único lugar do mundo que tem os pássaros que aparecem nesse vídeo é o paraíso, sim.

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

2 – Para conhecer um lugar com uma quantidade gigantesca de especies de animais e plantas. Para você ter uma ideia, a Amazônia brasileira tem 1200 espécies de aves conhecidas. Papua-Nova Guiné, que é menor do que a Bahia, tem 760.

3 – Para ver cangurus no meio de florestas tropicais. Sim, eles estão lá também. Papua-Nova Guiné é considerada um “espelho” biológico da Austrália, mas é coberta de florestas e montanhas.

4 – Para conhecer um país com 70% do território coberto por florestas.

5 – Para tentar ver como um país com apenas 5 milhões de habitantes consegue ter mais de 800 línguas.

6 – Para conhecer alguns dos 700 grupos tribais que formam esses 5 milhões de habitantes.

kahunapulej (CC BY-NC-SA 2.0)
kahunapulej (CC BY-NC-SA 2.0)
Deetrak (CC BY-NC-SA 2.0)
Jialiang Gao peace-on-earth.org (CC BY-SA 3.0)
kabl1992 (CC BY-NC 2.0)
www.barcelonatoursonline.es (CC BY-NC-SA 2.0) | Yves Picq (CC BY-SA 3.0)
Yves Picq (CC BY-SA 3.0)

7 – Ou para ver o festival Sing Sing, onde todas essas tribos se encontram para dançar e cantar. “O chão treme ao som dos tambores”, diz o livro 1000 Lugares Para Conhecer Antes de Morrer.

8 – Para ver as pinturas, as roupas e as máscaras loucas que essas tribos usam.

Yves Picq (CC BY-SA 3.0)

9 – Para conhecer um lugar que, até 1930, tinha conchas marinhas como dinheiro.

10 – Para conhecer um lugar onde o canibalismo era praticado até 1950.

11 – Para mergulhar (mesmo de forma amadora) em um lugar com 5 vezes mais espécies marinhas do que o Caribe.

Boogies with Fish (CC BY-NC-ND 2.0)
Boogies with Fish (CC BY-NC-ND 2.0)
Boogies with Fish (CC BY-NC-ND 2.0)

Boogies with Fish (CC BY-NC-ND 2.0)

12 – Para ver destroços da Segunda Guerra (muitos no fundo do mar).

tarotastic CC BY 2.0)

13 – Para voar de Air Niugini.

Boogies with Fish (CC BY-NC-ND 2.0)

14 – Para fazer trekking em um lugar desses.

15 – Para navegar no rio Sepik, o maior do país, no que é considerada uma exploração de “uma das últimas reservas intocadas do planeta no que se refere à natureza, cultura, arte e humanidade”. Quer mais? As aldeias ao longo do rio são tidas como algumas das melhores fontes de arte primitiva do mundo.

FriskoDude (CC BY-NC-ND 2.0)
FriskoDude (CC BY-NC-ND 2.0)

16 – Para conhecer o Monte Wilhelm, o mais alto do país (4509 m).

17 – Para ver vulcões ativíssimos. A região faz parte do Círculo de Fogo do Pacífico, então terremotos e vulcões são comuns por lá.

Ian @ ThePaperboy.com (CC BY 2.0)
tarotastic (CC BY 2.0)

18 – Para conhecer Rabaul, uma cidade que foi coberta pelas cinzas de dois vulcões, mas que segue ativa, mesmo com parte dela soterrada por cinzas. E os dois vulcões seguem ativos também.

tarotastic (CC BY 2.0)

19 – Para conhecer um lugar que, segundo o Lonely Planet, tem “infraestrutura limitada e quase nenhuma informação disponível em livros e sites” e é “um grande desconhecido” para os turistas. Ou seja: um lugar longe de tudo.

20 – Para conhecer um lugar que todas as fontes deste post classificam como um dos menos vistos por turistas no mundo.

21 – Porque um lugar que tem essas paisagens abaixo (retiradas do site papuanewguinea.travel, que parece ser bastante completo) merece ser visitado. Mesmo que ele não tivesse todos os motivos acima.

papuanewguinea.travel
papuanewguinea.travel

papuanewguinea.travel
papuanewguinea.travel
papuanewguinea.travel
papuanewguinea.travel

22 – Porque uma pesquisa rápida por “Papua New Guinea” no Flickr vai deixar você louco (ou louca).

23 – E para finalizar, por causa desse vídeo aqui embaixo.

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

Ah, ia me esquecendo: segundo o livro Uso do Hifen, de Eduardo Martins, Papua-Nova Guiné tem hífen, sim.

Veja lugares para se hospedar em Papua-Nova Guiné

Assine nossa newsletter!

Comentários