atualizado em:

Um bom ano

Existe um lugar que eu guardei para apresentar a você justamente nesta época do ano. Esse lugar fica na África […]

por Gabe Britto outros artigos do autor
atualizado em:

Existe um lugar que eu guardei para apresentar a você justamente nesta época do ano.

Pablo Manriquez (CC BY-ND 2.0)

Esse lugar fica na África e é a ilha mais isolada do seu país, a Guiné Equatorial. Na verdade ele fica mais perto da ilhas de São Tomé e Príncipe e também do Gabão do que da parte continental da sua própria nação.

Juntos, esse lugar, as ilhas de São Tomé e Príncipe e mais uma outra ilha de Guiné Equatorial, chamada Bioko, formam a Cordilheira de Camarões, uma cadeia de vulcões que começa submersa no Oceano Atlântico e se vai continente adentro, pela borda entre Nigéria e Camarões.

NASA – Domínio público
Wikipedia (autor não identificado – CC BY-SA 3.0)

A língua oficial deste lugar é o espanhol, a mesma da Guiné Equatorial, mas o povo de lá também tem um dialeto próprio, cujo nome é inspirado no nome da ilha mesmo (e você vai achar engraçado daqui a pouco): é o Fá d’Ambô, uma mistura de espanhol e crioulo português.

Por causa da localização distante, esse lugar passou muito tempo isolado, com visitantes escassos e esporádicos. Houve um período em que os barcos com mantimentos chegavam apenas uma vez por ano, para você ter uma ideia. É claro que isso ajudava a manter a integridade da ilha mas também causava uma dificuldade enorme para a pequena população de 5000 habitantes – que ainda sobrevive basicamente de pesca artesanal e de agricultura familiar.

Esse lugar ganhou um aeroporto, há alguns anos, e o governo guineense tem planos de estimular o turismo por lá. Potencial, ele tem: a ilha é considerada um paraíso, com fauna e flora próprias, além de praias e florestas lindas e um belíssimo lago vulcânico, motivos pelos quais ela virou uma reserva ecológica.

Bioko Islander (CC BY-SA 3.0)
Embassy of Equatorial Guinea (CC BY-ND 2.0)
Pablo Manriquez (CC BY-ND 2.0)
Pablo Manriquez (CC BY-ND 2.0)
berklee12 – All rights reserved 

Por que eu guardei essa ilha para essa época do ano? Pela história e pelo nome dela.

A ilha foi descoberta por dois navegadores portugueses que estavam em busca de novos portos para o tráfico de escravos.

A data da descoberta: 1º de janeiro de 1475.

O nome que ela ganhou: Ano Bom (hoje, Annobón).

Wikipedia (autor não identificado – CC BY-SA 3.0)
TravelingMan (CC BY-NC-ND 2.0)

Ano bom também é o que eu desejo para todos vocês, minhas amadas leitoras, meus amados leitores. E que 2014 nos traga ótimas viagens e fantásticas descobertas pelo mundo.

Mas antes de encerrar, vamos à explicação que faltou: por que a língua que os annobonenses falam se chama Fá d’Ambô?

Ora, porque é a “Fala de Ano Bom”.

Fá d’Ambô, entendeu?

Assine nossa newsletter!

Comentários