atualizado em:

Filipinas: o Sudeste Asiático diferente de tudo

Com cenários divinos, hospitalidade e uma linda mistura de culturas, as Filipinas conquistam os seus visitantes

por Gabe Britto outros artigos do autor
atualizado em:

O Sudeste Asiático é muito mais do que Tailândia, Camboja, Vietnã e Laos. As Filipinas também estão lá, com atrações e belezas que competem de igual para igual com seus vizinhos – e até vencem alguns com folga.

Índice

Filipinas, por do sol, ilha de Boracay

As Filipinas

“Somos tão hospitaleiros e temos um país tão lindo que nossos primeiros visitantes ficaram aqui por 350 anos.”

Apesar de ser dita num tom de piada, essa frase que filipinos adoram repetir para os turistas é quase totalmente verdadeira.

O país é mesmo maravilhoso, cheio de paisagens paradisíacas que incluem praias, montanhas, vulcões, florestas e muito mais. Também é verdade que seu povo é maravilhosamente querido com os forasteiros e está sempre pronto para ajudar. E, sim, e os primeiros europeus que chegaram lá ficaram por longos 350 anos.

O único ponto errado na frase é a parte que chama esses gringos de “visitantes”, já que os espanhóis do século 16 não desembarcaram nas Filipinas para passar férias, mas para conquistar e catequizar todo mundo que aparecesse pela frente – aquele mesmo filme que os índios brasileiros viram com áudio original em português.

Essa invasão até deu um resultado parcialmente bom para os espanhóis. Hoje, as Filipinas (cujo nome é uma homenagem ao rei Filipe II, da Espanha) são o maior país católico da Ásia e o 3º maior do mundo, com 80% dos seus 100 milhões de habitantes se declarando fiéis a Cristo.

Filipinas, igreja em Manila
Mas o resultado mais interessante mesmo foi para todos nós, viajantes e curiosos. Se nos seus primórdios o país já era uma mistura insana de povos diferentes espalhados por 7 mil ilhas, a adição de uma dose cavalar de latinidade e outra de norte-americanismo (sim, Tio Sam também passou uma boa temporada ali, logo depois dos espanhóis) construiu um lugar culturalmente único e cheio de histórias para contar.

As Filipinas são um sopão delicioso de etnias, línguas e culturas

Hoje, além de um paraíso natural, as Filipinas são um sopão delicioso de etnias, línguas e culturas. Um lugar onde você se sente totalmente no oriente, mas volta e meia esbarra com arquitetura européia, paga tudo em pesos e pode falar inglês com qualquer pessoa, em praticamente qualquer lugar. Onde restaurantes servem pratos locais com influências gritantes e fascinantes de comida espanhola, norte-americana e chinesa. Onde templos budistas dividem espaço com altares católicos. E, finalmente, onde pessoas, ruas, avenidas e bulevares têm nomes que fazem você pensar que está mesmo é na Argentina, não no Sudeste Asiático.

Pense bem na hora de fazer as malas para ir às Filipinas. Você também vai querer ficar por 350 anos.

Onde ficam as Filipinas?

Como o país é desconhecido para a imensa maioria dos brasileiros, cabe mostrar onde ele mora no mapa-múndi.

As Filipinas estão do outro lado do mundo, perto do Vietnã, da Malásia e da Indonésia. Para você ter uma ideia, elas são o destino de muita gente que vai para o Japão mas quer terminar as férias numa praia tropical.

No fuso-horário, as Filipinas costumam estar 11 horas à frente de Brasília, exceto durante o nosso horário de verão, quando fica “apenas” 10 horas à frente.

Filipinas no mapa-mundi

Entendendo o mapa

Antes de seguir adiante, uma informação para que você não se perca no mapa recortadíssimo das Filipinas.

O país é dividido basicamente em 3 conjuntos de ilhas: Luzon, Visayas e Mindanao.

  • Luzon é onde fica Manila e muitos outros lugares interessantes.
  • Visayas é a região onde estão as ilhas e praias mais famosas.
  • Mindanao é a região de natureza mais intocada, mas tem um problema que abordarei adiante.

Mapa de regiões das Filipinas

Onde ficar nas Filipinas?

Manila, Boracay e todas as cidades grandes ou turísticas das Filipinas têm redes mundiais de todos os tipos, hotéis de padrão internacional e opções mais baratas de ótima qualidade, basta procurar um pouco.

Eu fiquei em dois hotéis da rede de luxo Shangri-la: o Shangri-la at The Fort, em Manila (maravilhoso, com o melhor café da manhã que eu já tomei na vida) e o Shangri-La’s Boracay Resort & Spa, na ilha de Boracay. Se puder bancar qualquer um deles, vá feliz da vida.

Filipinas, hotel Shangri-la em Manila

O que fazer nas Filipinas?

São muitas, muitas, muitas atrações nas Filipinas. Tantas que não vou nem pensar em listar todas. E ainda que a caótica megalópole Manila mereça ser conhecida e que as culturas locais e a mistura delas sejam mágicas, o show é dado mesmo pela natureza do país.

Na verdade, chega a ser óbvio dizer isso se pensarmos que estamos falando de uma nação formada por 7 mil ilhas salpicadas em uma região de águas quentinhas e transparentes, com clima tropical (ou seja: com muito verde) e coberta por montanhas, vulcões, morros e todo tipo de formações rochosas, muitas delas na beira do mar.

Filipinas, ilha, vista aerea

Ilha de Palawan

Dentro do cenário tropical descrito acima, o destaque dos destaques vai para a Ilha de Palawan e seu arquipélago de Bacuit, que também é conhecido pelo nome da sua cidade mais próxima: El Nido. Uma região que eu infelizmente não tive a chance de conhecer em pessoa, mas que é definida como “o lugar mais lindo do mundo” pela Adriana Setti, viajante mais do que experiente, conhecedora de praias em todos os cantos do planeta e apaixonada pelas Filipinas.

Ilha de Boracay

Depois de Palawan, a bola fica com Boracay, a ilha mais festeira das Filipinas, mas com cantinhos de pura tranquilidade e relax. Nela, você pode passar o dia descansando em praias isoladas (com areias branquíssimas), fazendo sei lá quantos tipos de esportes náuticos, visitando outras ilhotas nos arredores ou simplesmente bebendo uma cervejinha no centrinho agitado, esquentando para a badalação noturna. Tudo isso a apenas uma hora de voo de Manila.

Vulcão Taal

Saindo das praias, uma das maravilhas naturais das Filipinas é o vulcão Taal (que eu já mostrei aqui, mas que vai ganhar um outro post exclusivo em breve).

Muito mais do que um vulcão comum, o Taal é uma série de crateras, ilhas e lagos vulcânicos um dentro do outro, num cenário perfeito para quem curte trekkings ou para quem quer apenas observar de longe, no conforto de um restaurante ou até mesmo desde o quarto do seu hotel. Ele fica a aproximadamente 60 km de Manila e pode ser visitado facinho num passeio desde a capital.

Filipinas, vulcão Taal

Ilha de Luzon

Finalmente, para quem quer ver cenários deslumbrantes mas também quer algo culturalmente significativo, o destino é a região norte da ilha de Luzon, onde vivem os ifugao, com seus terraços de plantações de arroz esculpidos nas encostas das montanhas e considerados Patrimônios da Humanidade pela Unesco.

Foi justamente graças a essas montanhas que os ifugao resistiram aos colonizadores espanhóis e mantiveram suas tradições intactas. Hoje, eles fazem o que é considerada a forma de arte mais genuinamente filipina: os bulol, figuras dos guardiões dos arrozais, esculpidas em madeira.

Quer mais atrações? Recomendo os blogs da Adriana Setti (citada acima) e também da Lucia Malla, outra apaixonada pelas Filipinas e com dicas fantásticas – principalmente se você for mergulhador.

Melhor época para ir para as Filipinas

Em geral, o clima filipino é sempre quente e úmido, aumentando ou reduzindo seus níveis ao longo do ano, mas nunca mudando completamente. O maior cuidado que você precisa ter ao planejar suas férias lá é com os tufões mesmo.

Do mesmo jeito que o nosso vizinho Caribe tem a sua temporada de furacões, a região das Filipinas tem a sua temporada de tufões, que atingem não apenas o país mas também o Japão, as Coréias, a China, Taiwan e outras nações pela área.

Pausa para uma aula rápida: furações e tufões são basicamente a mesma coisa, o que muda é apenas o nome, de acordo com a região do planeta onde eles acontecem.

Então anote aí:

  • Janeiro e fevereiro: melhor, melhor, melhor época. Tendência eterna de sol e clima mais agradável.
  • Março, abril e maio: sol, mas com calorão. Não é impossível aparecer tufão já em maio.
  • Junho e julho: temporada dos tufões. Julho começa a ter mais chuvas, mas elas não acontecem necessariamente o dia inteiro. Você pode pegar bons dias de sol, com temporais no fim da tarde.
  • Agosto: época ainda sujeita a tufões. É o mês de mais chuvas, junto com julho.
  • Setembro, outubro e novembro: diminuem as chances de tufões, mas elas ainda existem. Em novembro, a umidade começa a cair.
  • Dezembro: tecnicamente, o mês faz parte da melhor época, mas também pode ter tufões-surpresa e tempestades tropicais. Uma coisa é certa: os preços disparam nas festas de fim de ano.

Se você só puder ir na época dos tufões, tente ficar em Palawan ou no sul de Visayas. Essas áreas costumam sofrer menos com o fenômeno.

Em relação aos feriados, o único que merece um alerta é a Páscoa, principalmente a Quinta e a Sexta-feira Santas, quando o país para totalmente. Vale lembrar que a Páscoa filipina é famosa pelo fervor com que os fiéis repetem o calvário de Cristo, incluindo até crucificações de verdade.

Filipinas, White Beach, ilha de Boracay

Visto para as Filipinas

De acordo com o Portal Consular do Itamaraty, brasileiros não precisam de vistos antecipado para visitar as Filipinas por até 59 dias. É possível estender por mais 31 dias, mas é preciso pedir autorização.

Para mais informações, fale com a Embaixada das Filipinas em Brasília.

Embaixada das Filipinas em Brasília

  • Endereço: SEN Avenida das Nações, Lote 1 – CEP 70431-900 – Brasília – DF
  • Telefone: (61) 3224 8694 e 3223 5143
  • E-mail: [email protected]

Gastronomia filipina

A culinária filipina é outro ponto curioso do país.

Ir num buffet com pratos típicos é ter a certeza de se sentir perdido no mundo, já que no balcão de comida você transita entre opções que parecem ter vindo diretamente da China, do México, da Espanha, dos Estados Unidos, de algum lugar desconhecido e de todos ao mesmo tempo, quase sempre com algum tipo de carne (gado, porco, frango e peixe).

Isso acontece porque a mistura que forma a sociedade filipina está presente também na culinária local, com o toque especial de nomes bem familiares aos ouvidos latinos, como lechón, arroz, calamares e otras cositas más.

O resultado? Bem, tudo depende de gosto. A gastronomia filipina não é considerada boa pelos vizinhos asiáticos nem é famosa no mundo, mas eu gostei de alguns exemplares da mistureba. Talvez ela não tenha o refinamento necessário para ir ao topo do planeta, mas certamente tem delícias pontuais que vão fazer você ficar com saudades e procurar receitas na internet.

Quer um exemplo? O sisig, essa delicinha da foto abaixo (numa versão “gourmet”, servida em um restaurante chique de Manila). Ele é feito basicamente de carnes macias da cabeça do porco e conquistou o estômago de Anthony Bourdain a ponto do apresentador dizer que o prato logo vai ganhar o mundo.

Filipinas, prato tradicional
Para os mais curiosos também existem aqueles pratos exóticos extremos, como ovo de pato fecundado e cozido (chamado de balút) e carne de cachorro. Mas não se preocupe, porque você não vai achar isso facilmente e nem vai aparecer no seu menu em restaurantes normais.

A única iguaria exótica minimamente tragável é a sobremesa chamada halo-halo, uma paixão nacional que mistura feijão, gelatina, sorvete de inhame roxo, pipoca e leite, entre outras coisas que definitivamente não combinam, todas servidas num copão de milk shake.

Melhor ficar nos pratos tradicionais e normais mesmo, facilmente encontrados nos muitos ótimos restaurantes do país, principalmente em cidades grandes e em locais famosos entre os turistas.

Filipinas, restaurante em Manila

Quanto custa viajar pelas Filipinas?

Capitais costumam ser os lugares mais caros dos países, porque atraem as maiores empresas e os profissionais mais preparados (inclusive estrangeiros) e consequentemente têm os salários mais altos e o custo de vida mais elevado.

Mesmo assim, Manila (a capital filipina) aparece como o oitavo destino mais barato do mundo, entre os 136 pesquisados pelo site Price of Travel. Segundo ele, a média de gastos diários de um mochileiro na cidade fica ao redor de US$ 21, considerando:

  • Hospedagem em quarto compartilhado num bom hostel
  • 3 refeições baratas
  • Duas viagens de transporte público
  • Uma atração cultura paga
  • 3 cervejas

É claro que esse valor está bem longe do gasto por um viajante médio, que não é um mochileiro, mas dá para ver que o país é bem barato.

Quer mais informações? Então vamos lá.

Num olhar mais amplo, o site Expatisan mostra as Filipinas como o 87º país mais barato, entre os 110 pesquisados no mundo. Já o site Budget Your Trip diz que o gasto de um turista médio (nem rico, nem pobre) fica ao redor de US$ 41, enquanto o gasto de um turista de luxo fica ao redor de US$ 108.

Para finalizar, o Lonely Planet aponta que um turista médio consegue ficar entre US$ 40 e US$ 100.

Como ir para as Filipinas?

A maneira mais fácil é voando, mas não há voos diretos do Brasil para nenhum dos aeroportos internacionais das Filipinas, que ficam em Manila, Cebu, Davao e Clark. Logo, você vai ser obrigado a fazer ao menos uma escala em algum lugar do mundo.

A grande porta de entrada é o aeroporto de Manila, chamado Ninoy Aquino e abreviado como NAIA (Ninoy Aquino International Airport).

As companhias aéreas que voam do Brasil para a capital filipina são:

Meu voo foi com a Ethiopian Airlines, uma companhia aérea que me surpreendeu pela qualidade. Olhando para o mapa, o caminho mais curto entre São Paulo e Manila é feito com ela.

Como é voar de Ethiopian Airlines - 13
Já se você quiser chegar nas Filipinas a partir de outros países da região, as opções são maiores. O site da Autoridade do Aeroporto Internacional de Manila mostra as empresas que voam até NAIA.

Chegar de barco? Talvez seja possível, mas as informações que tenho é de que é difícil e apenas cruzeiros costumam entrar no país com estrangeiros.

Como viajar dentro do país?

A melhor forma de se locomover entre as ilhas maiores é voando. A Philippine Airlines voa para mais de 30 cidades do país, partindo de Manila na maioria das vezes.

Filipinas, Philippines Airlines
Barcos também são uma opção, apesar da longa duração de muitas viagens. Existem vários serviços entre as ilhas, então o melhor é pedir informações no seu hotel, de acordo com o seu destino. A empresa 2Go é a maior do país e tem barcos com várias classes.

Para se locomover dentro das ilhas, use ônibus ou contrate motoristas para tours diários (peça indicações no seu hotel). Se você tiver coragem e paciência, alugue um carro.

Língua nas Filipinas

Aqui está uma das melhores características das Filipinas.

Graças aos anos de dominação norte-americana nas ilhas, o inglês é uma língua corrente, daquelas que você pode usar com praticamente qualquer pessoa, em qualquer lugar. Mesmo em locais isolados, a tendência é o pessoal entender o básico.

Para quem gosta de aprender frases em outros idiomas, as Filipinas usam o tagalog (a pronúncia é ta-gá-log), que também é falado por praticamente toda a população.

Algumas frases importantes em tagalog:

  • Salamat (sa-la-mát): obrigado
  • Salamat po (sa-la-mát pô): obrigado (mais formal)
  • Paumanhin (pauman-hín): desculpe / com licença
  • Pakí: por favor
  • Magandang umaga (ma-gan-dang u-má-ga): linda manhã (serve como “bom dia”)
  • Magandang tanghali (ma-gan-dang tang-ráli): linda tarde (usado apenas ao redor do meio-dia)
  • Magandang hápon (ma-gan-dang rá-pon): linda tarde
  • Magandang gabí (ma-gan-dang ga-bí): linda noite

E se o seu coração bater mais forte por alguém durante a sua temporada filipina, arrisque num Magandang ka pa sa umaga (“Você é mais linda/lindo que a manhã”).

Ou, se for durante a noite, adapte para Magandang ka pa sa gabí (“Você é mais linda/lindo que a noite”). Dizem que as pessoas locais gostam, mas talvez não funcione com as estrangeiras.

Filipinas, Manila, Intramuros

Moeda das Filipinas

A moeda local é o peso filipino, abreviado como PHP.

O peso filipino tem notas de 10, 20, 50, 100, 500 e 1000. Já as moedas são de 5 centavos, 10 centavos e 25 centavos, além de 1, 5 e 10 pesos.

Em outubro de 2017 o dólar americano valia aproximadamente 51 pesos filipinos, valor estável nos 6 meses anteriores.

Notas de peso filipino

Onde trocar dinheiro?

Procure as placas “money changer“, onde quer que você esteja. É assim que se denominam as casas de câmbio nas Filipinas. Não é preciso mostrar nenhum documento na hora de fazer a troca de moedas.

Onde trocar dinheiro nas Filipinas
Agora sente-se em um lugar confortável, porque a informação que eu vou dar vai fazer você se espantar: a melhor cotação que consegui em toda a viagem foi justamente num “money changer” no aeroporto de Manila (saindo do Terminal 1, na área onde ficam os táxis). Eu nunca havia visto algo assim.

Na questão sobre qual moeda levar para o país, pode ser dólar americano, euro ou até libra esterlina. O dólar é um pouquinho mais vantajoso, mas você vai estar muito bem e vai conseguir fazer câmbio com facilidade usando qualquer uma dessas moedas

Se precisar comprar moeda estrangeira, não esqueça: o Sundaycooks é correspondente cambial e pode ajudar você com uma cotação muito boa. Veja no link abaixo.

Cartão de crédito

Bandeiras como Visa e Mastercard são bem aceitas em cidades grandes e em bons hotéis de cidades pequenas e ilhas menores. Em outros lugares, o ideal é ter dinheiro (que também pode ser sacado em caixas eletrônicos, à disposição em muitos locais).

Chip de celular com internet 3G nas Filipinas

Os melhores hotéis e restaurantes costumam ter wifi disponível, basta pedir a senha. Mas se você quiser ficar conectado o tempo inteiro, o melhor é comprar um chip de celular com internet 3G/4G nas Filipinas.

Como eu estava com pressa no momento da compra do meu chip, minha experiência com o assunto ficou confusa e passei 24 horas achando que havia sido enganado pelo vendedor da loja. Felizmente, no fim das contas, consegui ficar conectado.

A lição aprendida? Não compre chip de celular com pressa e faça um teste na frente do vendedor. Caso nada disso seja possível, aguarde 24 horas antes de se convencer de que foi enganado e comprar outro chip.

Feita a ressalva, vamos às dicas.

Filipinas, chip de celular, Smart

Empresas de celular

As duas empresas que dominam a telefonia móvel nas Filipinas são a Smart e a Globe. A cobertura delas é variável e tudo depende em qual canto do país você está. Nos destinos mais concorridos, a tendência é que o sistema funcione melhor – mas não conte sempre com isso, já que algumas cidades maiores como Manila podem ter momentos de congestionamento na rede.

Pelo que pude perceber, os preços variam bastante, mudando de quiosque para quiosque, de loja para loja de ambas as empresas, mas no geral é tudo muito barato.

No aeroporto de Manila, por exemplo, havia dois quiosques da Smart com preços e ofertas diferentes. Perguntei sobre o motivo da diferença nas propostas, mas nenhum atendente soube me explicar. Além dos quiosques da Smart, havia também um da Globe, todos do lado de fora da área de desembarque.

  • Smart:
    • Oferta 1: 1 GB de dados por dia, com 14 dias de duração, 65 minutos de ligações locais e 5 dias de SMS gratuito: 950 PHP (19 USD)
    • Oferta 2: 800 MB de dados por dia, com duração de 14 dias (sem especificação de ligações ou SMS): 600 PHP (12 USD)
  • Globe:
    • 8GB:  por 999 PHP (20 USD)
    • 4GB:  por 599 PHP (12 USD)
    • 1 GB:  por 398 PHP (8 USD)

No fim das contas, comprei meu chip da Smart em um shopping center num bairro de Manila. O preço foi 40 PHP pelo chip, mais 300 PHP pelos créditos, com direito a 300 MB (e um extra de 700 MB), em resumo, 1GB por 340 PHP.

O atendente fez tudo para mim e recebi um monte de mensagens de ativações de serviços. Mas, quando fui testar, não consegui ligar nem acessar a internet. Perguntei para o guia do grupo, ele tentou entender o problema e não conseguiu. Me resignei e deixei para pedir ajuda ao concierge do hotel, no dia seguinte, mas não precisei: pela manhã, como num passe de mágica, tudo estava funcionando.

Manila, intramuros, Filipinas

 

Segurança nas Filipinas

Deixando bem claro: as Filipinas definitivamente não são uma nação de primeiro mundo. Não espere encontrar uma Europa com praias paradisíacas, porque você não vai ver isso.

Porém, estatisticamente falando, a violência no país é quase 3 vezes menor do que no Brasil e 26% menor do que na nossa capital menos violenta (Florianópolis). Ou seja: você provavelmente estará mais seguro caminhando por lá do que em casa.

Feita essa análise geral, vamos falar de assuntos específicos.

Trânsito

Apesar de ser uma loucura de buzinas e engarrafamentos, o trânsito nas Filipinas causa 55% menos vítimas do que o do Brasil.

Terrorismo

Talvez você tenha lido sobre terrorismo e até sobre sequestros de turistas estrangeiros no país, praticados por um grupo filipino que se diz muçulmano.

É verdade, isso aconteceu mesmo, mas é fundamental fazer uma ressalva: a área de perigo são as ilhas da região de Mindanao (extremo sul).

As regiões de Luzon (onde fica Manila) e Visayas (onde estão as praias mais famosas) não têm restrições especiais, segundo até mesmo os alertas dos governos dos Estados Unidos e do Reino Unido para seus cidadãos. E olha que esses dois países costumam ser bem alarmistas.

De qualquer maneira, por precaução, vários hotéis e praticamente todos os shoppings centers têm detectores de metais e/ou cães farejadores nas suas entradas. Não se assuste, é prevenção mesmo.

Em resumo, evite Mindanao e curta a sua viagem pelas Filipinas com o mesmo grau de atenção que você tem no seu dia a dia brasileiro.

Terremotos

Por estar em cima do famoso Círculo de Fogo, as Filipinas convivem com o risco de terremotos, assim como Chile, Peru, Equador, a costa oeste dos Estados Unidos e o Japão (só para ficar em alguns exemplos).

Se você quiser mais tranquilidade, fique em hotéis modernos, com prédios construídos com tecnologia que resiste a tremores. Em Manila, o bairro Bonifacio Global City (chamado de BGC) é uma boa área, já que ele existe há apenas 10 anos e tudo por lá é novo.

Vulcões

O Círculo de Fogo, que garante terremotos, também é responsável pela quantidade de vulcões ativos nas Filipinas: algo entre 23 e 53, dependendo da fonte. Não há muito o que fazer para se proteger deles, a não ser ficar longe e prestar atenção às notícias. Como comparação, saiba que o Chile tem bem mais vulcões considerados ativos.

Tufões

A temporada de tufões fica principalmente entre junho e setembro, mas pode haver surpresas em maio e até dezembro. A única forma de evitar algo assim é cancelar ou alterar sua viagem caso haja previsão.

Drogas, tráfico e polícia

Recebi muitas perguntas sobre a violência com que o atual governo filipino vem tratando os usuários de drogas e os traficantes. Todo mundo queria saber “como estava o clima” no país. Não vou entrar em opiniões pessoais sobre esse assunto, este não é o espaço para isso. Apenas garanto: um turista comum não percebe nada no seu dia a dia.

Compras nas Filipinas

Se você procura produtos típicos e não vai ter tempo de visitar lugares menores pelas ilhas, aproveite a sua parada em alguma cidade grande e corra para a loja Kultura. Ela tem maravilhas produzidas sempre nas Filipinas e refletindo as tradições do país. Se estiver com os bolsos cheios, pergunte sobre as roupas produzidas com fibra de folhas de abacaxi. São maravilhosas.

Veja os endereços das lojas Kultura neste link e aproveite.

Tenho certeza de que você vai lembrar das Filipinas com muito carinho quando olhar o que comprou por lá. Exatamente como eu faço hoje.

O Sundaycooks viajou a convite da Ethiopian Airlines e do Departamento de Turismo das Filipinas.

Assine nossa newsletter!

Comentários