Muitas dúvidas nos cercavam quando começamos a sonhar com a nossa viagem para o Peru e uma das nossas maiores preocupações era com esse danado do soroche, ou mal de altitude. Como poderíamos nos prevenir? Será que passaríamos mal durante os passeios? Durante nossas pesquisas, encontramos várias dicas sobre como prevenir o soroche e amenizar o mal de altitude em Cusco.

Os quase 3.400 metros de altitude de Cusco são ingratos com quem não está acostumado com grandes altitudes e não devem ser desprezados. Como diria seu Jorge Ben, prudência e canja de galinha não faz mal a ninguém, certo?

Como evitar o Mal de Altitude?

Mal de altitude - Plaza de Armas em Cusco

Se eu pudesse dar apenas um conselho sobre como prevenir o mal de altitude seria: respeite seu corpo, seus limites e não deixe de descansar no seu primeiro dia em Cusco. Mais importante do que qualquer chá de coca, o descanso no dia de chegada é fundamental para que o seu corpo comece a se aclimatar e não reclamar nos dias seguintes.

Não é preciso necessariamente ficar entocado no hotel, mas faça o mínimo de esforço possível, evitando passeios longos e que tenha de subir ou descer ladeiras.

Eu sei, eu sei. Geralmente viajamos com os dias contatos e querendo aproveitar ao máximo o tempo para conhecermos todos os cantinhos especiais da cidade. Nessa hora, reservar o primeiro dia para o simples e belo ócio e descanso pode parecer um desperdício, mas garanto que isso pode fazer toda a diferença na sua experiência na região.

Abusando do excesso de zelo, eu até indicaria você consultar seu médico de confiança para um breve check-up e orientações quanto às possíveis medicações caso você se sinta muito mal.

O que é o Mal de Altitude ou Soroche?

O soroche é causado principalmente por conta da oxigenação reduzida no seu sangue e pode manifestar-se através de alguns sintomas como: dor de cabeça, fadiga, náusea, tontura, falta de ar e coração palpitante. Ao perceber qualquer um desses sinais, diminua o ritmo e evite esforço físico desnecessário.

Vá com calma, pois, a não ser que o apocalipse Maia seja confirmado (há controvérsias segundo os documentários que passam diariamente no Nat Geo), as ruínas Incas continuarão lá por um bom tempo :mrgreen:

Outras dicas importantes e bem práticas para evitar ou amenizar o mal de altitude são: tomar o famoso chá de coca ou mastigar suas folhas, muitas vezes disponíveis no seu hotel, se hidratar bastante, se alimentar regularmente e evitar alimentos muito pesados.

Você também vai encontrar pela cidade muitas propagandas da Sorojchi Pills, umas cápsulas que prometem alívio imediato contra o mal de altitude. Eu não precisei recorrer a essas cápsulas, mas não resisti ao simpático cilindro de oxigênio chamado OxiShot, vendido em qualquer mercadinho ou farmácia de Cusco.

Mal de altitude - OxiShot

Logo que chegamos em Cusco, nós sentimos como se estivéssemos em câmera lenta, tudo parecia mais lento e uma caminhada na Plaza de Armas já parecia uma maratona. Tudo o que fizemos nesse dia foi sair do hotel e andar pela Plaza de Armas, localizada, literalmente, ao lado do hotel.

Confira os melhores lugares para se hospedar em Cusco

Poucas horas depois de chegar, eu já comecei a senti dor de cabeça e a ficar enjoada. Como ficamos uma semana na cidade, acabei me acostumado, mas a falta de ar ao subir as escadas do hotel era inevitável. Uma parceria perfeita da altitude com a falta de preparo físico 😛

O Fred também não se sentiu muito bem no primeiro dia e até tentou tomar o chá de coca e mastigar suas folhas, mas, segundo ele, o gosto era terrível. Quando chegávamos ao hotel de noite, nós usávamos um pouco do OxiShot para nos ajudar a dormir.

Não pense que essas dicas são exclusivas de Cusco 😛 Você também pode usá-las em qualquer lugar que esteja a grandes altitudes.

Veja também o relato da Lu Malheiros sobre o soroche no Dividindo a Bagagem.

Você tem algum segredinho, truque ou receita de avó para aliviar o mal da altitude?

O que você sentiu logo que chegou em Cusco?

Demorou para que você se acostumasse?

Clique aqui para conferir todas as nossas dicas e roteiros do Peru \o/

Você também poderá gostar

Se gostou do que viu, assine o blog!


    123 Comentários
  1. Olá! Sofri bastante com o soroche. Nos dois primeiros dias foi de boa, mas na manha do terceiro acordei com diarreia e muito mal estar. Acabei caminhando bastante, devia ter descansado mais. No outro dia começamos a trilha Salkantay e a altitude foi pra 4600 mt……na volta de machupicchu passei mal no trem……

    • Que pena, Priscila. A dica é se aclimatar devagar mesmo, ainda mais se vc vai fazer alguma trilha que demanda bem mais esforço :/

  2. Como li alguns comentários de pessoas apavoradas com o soroche, e eu mesmo fiquei também, principalmente por conta de alguns problemas de saúde, resolvi falar de minha experiência. Tenho 54 anos, LLC (leucemia linfoide cronica) alem de um enfisema pulmonar leve. Tomei Diamox 1 dia antes da viagem e mais 2 dias apos ter chegado. Cheguei a Cusco por volta das 16 hs e logo senti alguns sintomas: taquicardia e um pouco dificuldade para respirar, que logo melhoraram. Ao chegar ao hotel, minha primeira providência foi tomar o famoso chá de coca, que tem cheiro um pouco desagradável mas, quando adoçado, tem um bom sabor. Fiz um pequeno passeio pelas imediações do hotel, que ficava próximo a Plaza de Armas, tomei uma sopa de Pollo (frango) com legumes e voltei ao hotel para descansar. Tive um pouco de dor de cabeça que um analgésico resolveu logo. Daí em diante, o único sintoma que senti, eventualmente, foi falta de ar, nada que estragasse o passeio. Eu e minha companheira nos sentimos prostrados nos primeiros dias, o que acabou assim que paramos de tomar o Diamox. No dia seguinte fizemos um passeio no Bus turístico, que é um passeio bem leve. Depois do almoço, e nos dois dias seguintes, passeamos por Cusco. No quinto dia fomos para Ollantaytambo, onde passamos duas noites, para, de lá, irmos para Machu Picchu, e nesses lugares nem falta de ar eu senti. Quando voltamos a Cusco, que é, aproximadamente 1000 metros mais alto, voltei a ter os episódios de faltar de ar, que apareciam sem nenhuma razão aparente e logo passavam. Concluindo, quem tiver vontade de conhecer Machu Picchu vá sem medo. Eu fui e já penso em ir novamente pois o lugar é lindo demais. Não deixe que o medo te impeça, apenas siga a regra básica de deixar seu corpo aclimatar lenta e naturalmente. Descanse na chegada, coma alimentos leves, beba bastante liquido e evite esforço físico. Não sei se o Diamox ajudou, mas o chá de coca tenho quase certeza que sim, pois sempre que tomava sentia minha respiração melhorar. Outra coisa que senti foi ressecamento na mucosa nasal, mas nada grave, tenho o mesmo problema em voos longos. Uma curiosidade já descrita aqui e em outros blogs é que o Diamox deixa, não só a cerveja mas, toda bebida gaseificada com um gosto ruim, parece Sonrisal. É isso, espero que meu relato ajude aos mais temerosos e boa viagem a todos!

    • Obrigado pelo relato, José :)
      Um detalhe para as outras pessoas: Não tomem remédios sem antes consultarem seus médicos!

    • Obrigada pelo relato detalhado, José Carlos! Estou indo agora em novembro e já vou modificar meu roteiro e adicionar mais um dia em Cusco só para não fazer nada, apenas adaptar-me. Abraços!

    • Nessas horas é sempre importante respeitar o ritmo do nosso corpo, Afrodite :) Boa viagem e depois nos conte como foi!

  3. Gente, sério, fiquei temerosa rs
    Hoje iniciei por curiosidade uma pesquisa simples na internet a procura do melhor mês/estação para ir ao Peru, em especial para visitar Machu Picchu (seria minha primeira viagem internacional!!! *-*), e não imaginava quantas dúvidas, curiosidades e dicas poderia encontrar lendo este site. Meus sinceros parabéns pelo trabalho desenvolvido aqui, muita informação de qualidade, dicas preciosas e comentários com contribuições magníficas! (Sr. José Carlos foi inspirador em seu comentário!).
    Trabalho como Monitora Ambiental guiando grupos por trilhas em Unidades de Conservação na cidade de São Paulo, atualmente faço uma trilha de 2km com perfil de dificuldade alta com muitos degraus e sol forte do cerrado na cabeça, alcançando a altitude de 1.100 metros, e apenas devido a isso, fiquei a pensar que não teria dificuldades no Peru, hahahaaa…. pobre de mim! Ainda bem que encontrei vocês! rssss

    • Obrigada pelo comentário, Camila!

      Você pode contar sempre com a gente 😀

      O segredo é sempre respeitar os limites do nosso próprio corpo e não abusar muito. Tenho certeza que você vai fazer uma linda viagem.

    • Muito obrigado pelos comentários de todos q disponibilizaram um tempinho pra ajudar o próximo, tbm será minha primeira viagem internacional com meu filho e estas informações são mto importantes. Um bj a todos e bora viajar e dividir experiências.

    • Boa viagem, Priscilla!

      Tomara que você volte pra deixar um relato aqui de como foi a viagem com seu filho 😉

  4. Vim para Cusco agora, dia 19 de janeiro de 2016, realmente todos esses relatos sobre descansar no primeiro dia (aclimatar), é de suma importância, acredite!!
    Abraço a todos e boa viajem!

  5. Estive no Peru algumas vezes e em duas delas tive mal de altitude severo, com dores de cabeça terríveis acompanhadas de enjoo. O medicamento que salvou minha vida: Supositório de dipirona (popular novalgina). Esqueça os preconceitos; supositório é melhor quando estamos com enjoo, além de agir muito rápido. Incrivelmente, o enjoo desapareceu junto com a dor de cabeça em menos de meia hora e eu pude aproveitar muito mais a viagem. Dica: Só vende infantil, então adultos usam 2 de cada vez pra fazer efeito.

    • Essa é, sem dúvidas, uma solução inusitada 😉 Mas se funciona, que mal tem? Vale conversar com o médico para saber se vc não tem alergia ao medicamento.

  6. Olá! Juntamente com meu esposo, estive entre o dia 26/02-09/03 no Peru. Todas as informações e relatos foram de grande importância para que fizéssemos uma viagem mais tranquila, consciente. Desde já, obrigada sundaycooks e demais viajantes! Volto pra falar um pouco sobre o mal de altitude. Espero que possa ajudar…Adiamos o Peru por um bom tempo, pois eu tinha receio dos sintomas e de como meu corpo reagiria em grandes altitudes. Em outras viagens com altitudes mais altas, apresentei alguns sintomas, como forte mal estar e tontura. Tenho labirintite e tudo meio que se acentuava. Enfim, antes de embarcarmos para o Peru, fizemos uma longa pesquisa e decidimos que a viagem não deveria mais ser adiada. Tomamos vitamina B12 e, por indicação médica, repito: por indicação médica, apenas eu tomei diamox. O resultado: durante toda a viagem não sentimos nada. Simplesmente um cansaço em Cusco. Qualquer subidinha de escada cansava pra caramba, mas nada de dor de cabeça, mal estar, tonturas…Apesar da vitamina B12 e, no meu caso, o Diamox, descansamos ao chegar em Cusco, evitamos atividades mais pesadas e tomamos muito chá de coca. Fizemos uma viagem maravilhosa. Inclusive, a previsão para os dias que estaríamos conhecendo o país seria de chuva, mas nadica de chuva. Ebaaa!!! Não chegamos a usar as capinhas que compramos por 5 soles. Machu Picchu estava linda, com um sol lindão antes das 6h. Sem mal estar, conseguimos também usufruir da culinária riquíssima desse país incrível. Abraços!!!!!

  7. Olá! Estou indo em Maio 2016, saio do Rio às 5 da manhã, chego por volta das 11 da manhã em Lima, então outro voo para Cusco no mesmo dia chegando por volta das 3 da tarde. Tenho dúvida se permaneço em Cusco neste dia ou aproveito que há horário disponível de trem e sigo logo para Águas Calientes, chegando lá por volta das 8 da noite e no dia seguinte bem cedo indo para Machu Pichu. Penso que ficaria meio que com o dia perdido se permanecesse em Cusco, já que chego de tarde, então não sei se seria uma boa seguir logo para Aguas Calientes, por conta do soroche.
    Aceito pitacos!
    Vcs estão me ajudando muito! Tenho encontrado todas as informações que preciso aqui. Obrigada!!!

    • Que bom que podemos ajudar, Gleice.

      Olha, Machu Picchu é a cereja do bolo. se vc chegar diretamente pra lá, provavelmente os outros passeios não terão tanta graça, até porque esses outros passeios vão te ajudar a entender o que há em Machu Picchu. O Soroche pode te pegar nesse meio tempo também, pq machu picchu está a 2400m e a correria até cusco e aguas calientes pode atrapalhar (sem contar as malas que, se forem grandes, podem nem ser aceitas no trem).

      Boa viagem e aproveite o país por nós :)

  8. Eu sempre sinto sorochi, é bem chato. Não importa se você é atlético, saudável ou não, simplesmente, alguns sentem mais que outros. No Peru, as sorochi pills me ajudaram muito e claro, o chá de coca. Na Suíça, não tinha nenhum dos dois, então em uma farmácia me indicaram aspirinas e Coca-cola. Isso mesmo! A cafeína dilata os vasos sanguíneos e aumenta a oxigenação do cérebro.

  9. Seguinte, estou basicamente com tudo comprado para uma viagem até o Peru com a minha mãe, sempre tivemos o sonho em conhecer esse país. Diante dos comentários sobre a alta altitude me lembrei do fato de que sou portadora de traço falciforme, e os poucos relatos que encontrei sobre foram digamos que apavorantes, e agora to achando que vou morrer assim que pisar lá. Vou procurar um hematologista mas sinceramente acho que vou ter que cancelar a viagem e perder uma boa grana :/. Alguém conhece alguém nessa mesma situação ou já viveu algo parecido?

  10. 1 4 5 6
Deixe seu Comentário