Muitas dúvidas nos cercavam quando começamos a sonhar com a nossa viagem para o Peru e uma das nossas maiores preocupações era com esse danado do soroche, ou mal de altitude. Como poderíamos nos prevenir? Será que passaríamos mal durante os passeios? Durante nossas pesquisas, encontramos várias dicas sobre como prevenir o soroche e amenizar o mal de altitude em Cusco.

Os quase 3.400 metros de altitude de Cusco são ingratos com quem não está acostumado com grandes altitudes e não devem ser desprezados. Como diria seu Jorge Ben, prudência e canja de galinha não faz mal a ninguém, certo?

Como evitar o Mal de Altitude?

Mal de altitude - Plaza de Armas em Cusco

Se eu pudesse dar apenas um conselho sobre como prevenir o mal de altitude seria: respeite seu corpo, seus limites e não deixe de descansar no seu primeiro dia em Cusco. Mais importante do que qualquer chá de coca, o descanso no dia de chegada é fundamental para que o seu corpo comece a se aclimatar e não reclamar nos dias seguintes.

Não é preciso necessariamente ficar entocado no hotel, mas faça o mínimo de esforço possível, evitando passeios longos e que tenha de subir ou descer ladeiras.

Eu sei, eu sei. Geralmente viajamos com os dias contatos e querendo aproveitar ao máximo o tempo para conhecermos todos os cantinhos especiais da cidade. Nessa hora, reservar o primeiro dia para o simples e belo ócio e descanso pode parecer um desperdício, mas garanto que isso pode fazer toda a diferença na sua experiência na região.

Abusando do excesso de zelo, eu até indicaria você consultar seu médico de confiança para um breve check-up e orientações quanto às possíveis medicações caso você se sinta muito mal.

O que é o Mal de Altitude ou Soroche?

O soroche é causado principalmente por conta da oxigenação reduzida no seu sangue e pode manifestar-se através de alguns sintomas como: dor de cabeça, fadiga, náusea, tontura, falta de ar e coração palpitante. Ao perceber qualquer um desses sinais, diminua o ritmo e evite esforço físico desnecessário.

Vá com calma, pois, a não ser que o apocalipse Maia seja confirmado (há controvérsias segundo os documentários que passam diariamente no Nat Geo), as ruínas Incas continuarão lá por um bom tempo :mrgreen:

Outras dicas importantes e bem práticas para evitar ou amenizar o mal de altitude são: tomar o famoso chá de coca ou mastigar suas folhas, muitas vezes disponíveis no seu hotel, se hidratar bastante, se alimentar regularmente e evitar alimentos muito pesados.

Você também vai encontrar pela cidade muitas propagandas da Sorojchi Pills, umas cápsulas que prometem alívio imediato contra o mal de altitude. Eu não precisei recorrer a essas cápsulas, mas não resisti ao simpático cilindro de oxigênio chamado OxiShot, vendido em qualquer mercadinho ou farmácia de Cusco.

Mal de altitude - OxiShot

Logo que chegamos em Cusco, nós sentimos como se estivéssemos em câmera lenta, tudo parecia mais lento e uma caminhada na Plaza de Armas já parecia uma maratona. Tudo o que fizemos nesse dia foi sair do hotel e andar pela Plaza de Armas, localizada, literalmente, ao lado do hotel.

Confira os melhores lugares para se hospedar em Cusco

Poucas horas depois de chegar, eu já comecei a senti dor de cabeça e a ficar enjoada. Como ficamos uma semana na cidade, acabei me acostumado, mas a falta de ar ao subir as escadas do hotel era inevitável. Uma parceria perfeita da altitude com a falta de preparo físico :P

O Fred também não se sentiu muito bem no primeiro dia e até tentou tomar o chá de coca e mastigar suas folhas, mas, segundo ele, o gosto era terrível. Quando chegávamos ao hotel de noite, nós usávamos um pouco do OxiShot para nos ajudar a dormir.

Não pense que essas dicas são exclusivas de Cusco :P Você também pode usá-las em qualquer lugar que esteja a grandes altitudes.

Veja também o relato da Lu Malheiros sobre o soroche no Dividindo a Bagagem.

Você tem algum segredinho, truque ou receita de avó para aliviar o mal da altitude?

O que você sentiu logo que chegou em Cusco?

Demorou para que você se acostumasse?

Clique aqui para conferir todas as nossas dicas e roteiros do Peru \o/

Se gostou do que viu, assine o blog!


    50 Comentários
  1. Eu achei que esse negócio de altitude era frescura, mas foi só subir 1 lance de escada logo que cheguei em Cusco e parecia que eu tinha corrido uma maratona :-)
    Recomendo muito tomar as soroche pills, tem em qqr farmácia e a caixa custa 38 soles (acho que vêm 20 comprimidos ou algo assim), e MAIS AINDA tomar chá de coca direto.
    Mesmo caminhando beeeem devagar tive dor de cabeça constante no 2º dia e o nariz não sangrava sozinho mas quando assoava sempre tinha sangue (isso durou uns 5 dias).

    • hehehe Eu não sabia como era, mas sabia q teríamos de descansar. Chegando lá foi muito sinistra a sensação de estar tudo em câmera lenta >.<

  2. Cara, esse tal de soroche é uma coisa muito estranha! Chegamos em Cusco e descobri que EU TINHA CABEÇA!!! hahahahaha foi a única sensação que tive… tinha cabeça, as vezes sabia que tinha coração também! Compramos 2 oxishot e acabamos usando apenas um… como não pudemos trazer no avião, deixamos no hotel caso alguém precisasse!
    Carreguei ele sempre na mochila mas nunca usei… Usávamos pela manhã e pela noite… de dessa forma não tivemos nenhum mal estar na nossa estadia em Cusco!
    Valeu a compra!

    • Oxishot é muito bom mesmo :) Usamos durante o dia somente em Moray, pq resolvemos descer todas as escadas, daí pra subir já viu, né? hehehe

  3. Alguns sites especializados em montanhismo (principalmente relacionados à escalada do Everest) recomendam tomar o Diamox, um remédio diurético, composto acetazolamida, usado por militares e salva-vidas quando precisam subir para grandes altitudes rapidamente. Consulte seu médico antes (não tome por conta própria), mas considere tomar se você vai fazer como eu, ir da Altitude Zero de Lima para La-Paz nos seus 4000 metros e depois Cuzco.

    Veja trecho da bula: “Estudos clínicos controlados têm demonstrado que a administração profilática de DIAMOX em uma dose de 250 mg a cada 8 – 12 horas, antes ou durante a subida rápida para grandes altitudes resulta em menos ou menores sintomas severos (tais como dor de cabeça, náusea, dispnéia, tontura, sonolência e fadiga) de doença da montanha aguda. A função pulmonar (por exemplo, ventilação por minuto, capacidade de expiração vital e fluxo máximo) foi maior no grupo tratado com DIAMOX, tanto em pacientes com doença da montanha aguda como em pacientes assintomáticos.”

    • Interessante isso, Eduardo :) Eu não conhecia esse remédio.

      Agora, como ele disse, consulte seu médico primeiro antes de tomar qualquer remédio!

    • Já estivem em Cusco, fiz a Trilha Inca dos 4 dias – 4200m no Passo-da-mulher-morta e estou em Corumbá indo para La Paz (4700m) pra descer de bike a estrada da morte. Estou usando há um dia esse esquema do Diamox que vem desse instituo http://www.altitudemedicine.org/index.php/altitude-medicine/for-healthcare-providers , mas você vai urinar váriassss vezes no dia. Tenho o Sorijche Pills comigo para emergência, mas espero ficar só com o Diamox.

    • Iva, obrigada pelo comentário :)

      Mas é importante destacar que antes de se automedicar, é importante consultar o seu médico de confiança e conversar sobre as suas inseguranças quanto ao mal de altitude. Ele vai orientar como proceder.

      Descanso nos primeiros dias, comidas levas e muita água também ajudam a amenizar os efeitos da danada da altitude.

      Boa viagem :D

  4. Olá pessoal. Acabei de chegar do peru e tenho uma dica sobre o soroche.
    Não passamos mal, sentimos um pouquinho o cansaço. Tomamos AS infantil (aspirina) três dia antes de viajar e todos os dias. Nos sentimos bem durante a estada em Cusco e Machu Picchu.
    mas antes de usar a medicação consulte seu médico.
    É uma maravilha o passeio.

    • Eliana Oliveira, você tomou somente uma aspirina por dia?

    • Pri,

      Se você tem muitas dúvidas sobre o mal de altitude ou se sente insegura, recomendo consultar um médico de confiança antes da viagem. Assim ele vai te orientar quanto a medicação mais adequada caso você não se sinta bem ;)

    • É verdade, Eliana. A melhor dica de todas ainda é consultar o seu médico antes da viagem e conferir todas as dicas de bem-estar e evitar a auto-medicação ;)

  5. Subimos devagar pois estavamos de carro, no salar de Uyuni que esta a 2850 m mesmo tomando aspirina senti dor de cabeca, enjoo, dor na nuca e palpitacao, a sensação e muito ruim. Para chegar ao hotel e subir apenas 5 degraus sente-se o coracao a mil. Mas como toda regra tem sua excecao garanto que nao atinge a todos pois meu marido Augusto nao apresentou nenhum sintoma. Uma noite bem dormida resolve e alivia os sintomas exceto a palpitacao que nao cessa apenas diminui. mesmo assim vale a pena!

    • Obrigado pelo relato Márcia :) o Soroche não é fácil mesmo. Sentíamos que estávamos em câmera lenta, quase bêbados no primeiro dia. Certamente cada um sente de maneira diferente, eu senti menos, mas a Natalie e nossa amiga sentiram bem mais que eu. Mas só no primeiro dia. Indo com calma fica mais fácil suportar.

  6. Eu e meu marido nao sentimos nada em Cusco, porem conhecemos algumas pessoas que passaram mal por vairos dias seguidos. Vai do organismo de cada um. Como diz este post, omelhor mesmo e pegar leve no primeiro dia para o corpo se adaptar a altitude.

  7. Oi, pessoal! Um amigo que esteve em Cusco e Machu Picchu me deu a dica de fazer MP antes de Cusco, já que Cusco é mais alto e, deste modo, a aclimatação à altitude fica mais fácil. O que vcs acham?

    • Oi Andrea.

      Pensando unicamente na altitude, até pode fazer sentido, mas Machu Picchu é a cereja do bolo e, depois dela, as outras coisas não parecerão tão incríveis. Em termos de conhecimento, fazer Cusco e Valle Sagrado antes de Machu Picchu é melhor, pois é uma crescente de conhecimentos, paisagens e ruínas que culminam com Machu Picchu e seu entendimento :)

      Se o primeiro dia em Cusco vc não forçar e ficar basicamente descansando, você terá poucos problemas com o Soroche.

  8. Uma dica para quem for a Cusco ou a lugares com grandes altitudes:

    Individuos com traços de anemia falciforme não deve viajar a lugares de grandes altitudes, uma vez expostos a este tipo de situação a oxigenação sanguinea é reduzida podendo ocasionar infarto esplênico. Passei por esta terrivel experiência em Cusco com meu namorado que tem traços falciformes e não sabia. Infelizmente a viagem foi interrompida pela necessidade da realização de uma cirurgia de urgência para retirada do baço.Foram dias preocupantes e tensos, mas após 10 dias retornamos ao Brasil e ele está se recuperando. Então, é bom que todos os interessados procurem um Hematologista para realizar exames e viajar tranquilo.

    • Nayara,

      Que susto, hein? Eu imagino como vocês ficaram preocupados com essa situação. Mas que bom que ele já está se recuperando e está se sentindo melhor.

      Minha mãe tem anemia falciforme e foi para o Atacama e não sentiu nenhum efeito estranho da altitude.

      Consultar um médico para check-ups periódicos é sempre uma ótima saída para quem gosta de viajar pelo mundo mais tranquilo.

      Tomara que tudo fique bem rapidinho ;)

  9. 1 2
Deixe seu Comentário

    Pingback e Trackback
  1. [...] Preto em termos de ladeiras, mas com o agravante de estar a, pelo menos, 3300m de altitude. Com a danada da altitude e o soroche batendo na porta, subir essas ladeiras no final do dia depois de longas caminhadas e passeios pode ser uma lamúria. [...]

  2. [...] visitar Puno e o famoso lago Titicaca. De um visual deslumbrante e batendo recordes de altitude (cuidado com o mal de altitude!), essa região está na minha listinha com certeza. Confira como foram as viagens da Camila e da [...]

  3. [...] valem para os demais dias se o ‘mal da altitude’ continuar a atacar com força. No  Sundaycooks, mais dicas sobre como prevenir o mal das alturas. A Lu Malheiros do Dividindo a Bagagem também [...]

  4. […] Mal de altitude: como prevenir o soroche em Cusco […]

  5. […] Mal de altitude: como prevenir o soroche em Cusco […]

  6. […] Mal de altitude: como prevenir o soroche em Cusco […]

  7. […] Mal de altitude: como prevenir o soroche em Cusco […]

  8. […] Mal de altitude: como prevenir o soroche em Cusco […]